Nucleotídeos livres fortalecedores da mucosa intestinal de aves Nucleotídeos livres fortalecedores da mucosa intestinal de aves
 
17 jun 2021

Nucleotídeos livres no fortalecimento da mucosa intestinal de aves em produção

get_the_title



Fortalecedores da mucosa intestinal de aves

Durante muitos anos, o valor nutricional das dietas fornecidas para frangos, poedeiras e matrizes eram avaliadas pelo desempenho e pela digestibilidade dos nutrientes. Entretanto, além dos estudos nutricionais, as pesquisas aprofundadas sobre a estrutura intestinal dos animais conquistaram um papel fundamental no entendimento e na precisão da formulação das dietas.

O intestino não é somente um órgão digestivo e de absorção de nutrientes, mas, sim, apresenta funções primordiais como órgão metabólico e imunológico (Adedokun e Olojede, 2019), além de ser a primeira e principal barreira para entrada de patógenos no organismo animal (Sears, 2000).

Fortalecedores da mucosa intestinal de aves

Na anatomia, o tecido intestinal das aves é afetado diretamente pelo tipo da dieta, sendo que o valor nutricional e a funcionalidade destas dietas podem produzir alterações microscópicas e impactantes na mucosa intestinal (Yasar, 1999) influenciando de forma significativa as variáveis produtivas. Este artigo destaca as alterações histológicas relacionadas à função intestinal e adiciona novas informações a respeito da inclusão dos nucleotídeos livres em dietas para aves como ferramenta de nutrição de precisão.

NUCLEOTÍDEOS LIVRES

Os nucleotídeos são nutrientes que desempenham papéis importantes em quase todos os processos bioquímicos, como a transferência de energia química (ATP), participação em vias biossintéticas e como componentes de coenzimas sendo, portanto, cruciais para a produção de novas células (Nelson e Cox, 2018).

Os requerimentos de nucleotídeos pelo organismo podem ser atendidos por duas vias, a via síntese de novo e via de salvamento, sendo a suplementação dietética uma alternativa para órgãos com alta demanda e períodos específicos. Sob certas condições, como estresse, desafios imunológicos e estado de doença, estes nucleotídeos exógenos (dieta), tornam-se nutrientes essenciais para otimizar a função intestinal (reforço para barreira intestinal) e imunológica do animal, uma vez que as sínteses endógenas não demonstram serem suficientes nesses períodos (Trichet, 2010).

Fortalecedores da mucosa intestinal de aves

A barreira intestinal é crucial para a saúde animal (Oshima e Miwa, 2016). Uma estrutura intestinal íntegra tem como característica a manutenção das vilosidades, sendo que o seu comprimento, largura e a profundidade da cripta formam o conjunto a ser avaliado (Hu et al., 2016).

Nestas áreas que exigem um rápido crescimento celular e de alto turnover, a suplementação de nucleotídeos exógenos nas dietas demonstra ser fundamental para preservar as importantes funções deste órgão e permitir o máximo desempenho do animal.

Fortalecedores da mucosa intestinal de aves

De fato, SHEN et al (2009) demonstram que a adição de nucleotídeos melhorou a relação altura de vilosidade/profundidade de cripta no jejuno de suínos.

Também, as tight juctions, que são um dos componentes mais importantes que formam a barreira intestinal (Zihni et al., 2016) e as expressões de genes para formação e manutenção das mesmas, foram aumentadas no íleo de suínos ao serem alimentados com uma dieta contendo nucleotídeos livres (Che et al., 2016).

BACHA et al (2013) justificaram que a suplementação de nucleotídeos na dieta melhorou a função intestinal e a imunidade em humanos e suínos.

Para a categoria de aves, o efeito evidente da suplementação de nucleotídeos livres nas dietas sobre o fortalecimento da mucosa intestinal será demonstrado no experimento a seguir.

 

NUCLEOTÍDEOS LIVRES: MODULAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO DA ESTRUTURA INTESTINAL DE AVES EM PICO DE PRODUÇÃO

Este estudo apresentou como objetivo o efeito da suplementação de nucleotídeos livres (Nucleobase 1.5 – Aleris Animal Nutrition) na estrutura intestinal e desempenho produtivo de poedeiras em fase de produção. O produto Nucleobase 1.5 é composto por extrato de levedura purificado e garante na sua composição o mínimo de 15% de nucleotídeos livres distribuídos de forma equilibrada entre as bases purinas e pirimidinas.

 

DELINEAMENTO EXPERIMENTAL E GRUPO DE TRATAMENTOS

Foram utilizadas 128 poedeiras da linhagem Hy-line W-80 em produção (acima de 90%) com 50 semanas de idade. O experimento foi de 20 semanas e, no início, o peso das aves e a produção de ovos foram homogeneizados para as poedeiras serem distribuídas em dois tratamentos (T1- Controle | T2-Nucleobase 1.5 – 500g/ton), com dez repetições cada e oito aves por unidade experimental.

As dietas foram isonutritivas e formuladas à base de milho, farelo de soja e farinha de carne e ossos, sem a adição de aditivos promotores de crescimento. Além da análise de morfometria intestinal ao final do período experimental, dados de produção e qualidade de ovos foram analisados a cada 28 dias. Para comparação estatística das médias, os dados coletados foram submetidos à análise do teste t-Student.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO
ESTRUTURA INTESTINAL

Os resultados da morfometria intestinal (tabela 1) demonstram a ação do Nucleobase 1.5 nas estruturas do duodeno e do jejuno de poedeiras em produção.

Tabela 1. Efeitos da suplementação de nucleotídeos livres sobre a altura e largura do vilo, profundidade de cripta e relação vilo:cripta dos segmentos intestinais duodeno e jejuno de poedeiras leves.

Os enterócitos são células que compõe as vilosidades intestinais, e derivam de um processo de migração da cripta (base) para o ápice do vilo, sendo que sua maturação está na dependência da síntese de proteínas estruturais das células intestinais (Maiorka, 2004). O equilíbrio e maturação destas estruturas são fundamentais para a máxima absorção e aproveitamento de nutrientes, o que resulta em melhores desempenhos produtivos.

Quanto maior o desgaste (extrusão) das células intestinais, maior será a necessidade de uma reposição celular às custas de consumo de nutrientes, os quais são provenientes das reservas energéticas do organismo da ave e da ração ingerida. A simples manutenção da mucosa intestinal, em condições fisiológicas normais, tem custo energético elevado para as aves (Maiorka, 2004), sendo que períodos de estresse acentuam este gasto.

Por se um processo extremamente dinâmico e veloz, muitas vezes um vilo muito alto não significa necessariamente uma melhor estrutura absortiva. Este rápido crescimento pode gerar células imaturas com limitada capacidade produtiva e absortiva. Desta forma, a avaliação da profundidade da cripta e, principalmente, da relação vilo:cripta, se tornam tão importantes para a verificação correta da eficiência intestinal.

No presente estudo, a altura de vilo (μm) em ambos os segmentos intestinais foi semelhante estatisticamente, embora, na região do jejuno, o valor absoluto do grupo que recebeu o Nucleobase 1.5 foi superior em 3,6% em relação ao grupo Controle. Entretanto, a profundidade de cripta, que está diretamente relacionada com a dinâmica de produção de novos enterócitos e sua consequente maturação, foi significativamente menor para as aves que receberam o Nucleobase 1.5 em sua dieta.

Como resultado a proporção vilo:cripta foi superior em quase 20% no duodeno e em mais de 60% no íleo quando comparado aos resultados obtidos com as aves do tratamento Controle, indicando ação local e direta do Nucleobase 1.5 em tecidos de alto turnover celular.

Autores têm mostrado a influência de estratégias nutricionais na dieta sobre estrutura intestinal, principalmente para promover melhores relações vilo:cripta (Wood e Han, 1998). A glutamina e o ácido glutâmico, por exemplo, têm sido avaliados como uma referência na manutenção da mucosa intestinal, conservando energia pelo reduzido turnover de células intestinal.

Com relação a estes nutrientes, os resultados médios observados em aves, da relação altura de vilo e profundidade de cripta estão entre 6,4 a 8,0, (Wood e Han, 1998; Maiorka et al., 2000), ou seja, em torno de 40% inferior aos resultados descritos no presente trabalho, revelando uma ação ainda mais precisa dos nucleotídeos no desenvolvimento da mucosa intestinal.

De fato, os dados de estrutura intestinal são muito citados como um dos principais efeitos diretos e específicos quando se utiliza uma fonte nucleotídeos na dieta. Autores como Savaiano e Clifford, (1981), Ortega et al., (1995), Sato et al., (1999) e Martinez-Puig et al., (2007) descrevem muito bem esta atuação dos nucleotídeos em nível celular, uma vez que estes podem afetar o status de amadurecimento do epitélio do intestino, sendo capazes de aumentar as enzimas que são utilizadas como marcadores de maturação de células intestinais.

Ortega et al., (1995), confirma este mecanismo descrevendo as alterações de várias atividades enzimáticas de borda em escova nas células intestinais, induzidas pela privação de nucleotídeos dietéticos por diferentes períodos de tempo.

O efeito da indisponibilidade de nucleotídeos sobre a atividade enzimática aumentou o desgaste destas células progressivamente em direção à ponta da vilosidade, suportando a ideia de que os nucleotídeos da dieta afetam de fato o nível de maturidade do epitélio do intestino.

Como resultado prático, a economia de energia para a manutenção de um intestino altamente eficiente, reflete no desenvolvimento produtivo como, por exemplo, no peso e massa de ovo, demonstrado nos dados de desempenho como reflexo da ação direta do Nucleobase 1.5 na mucosa intestinal.

 

DESEMPENHO ZOOTÉCNICO

A melhora expressiva da qualidade da estrutura intestinal ofereceu condições para que as poedeiras aproveitassem melhor os nutrientes da dieta com a inclusão de Nucleobase 1.5 e, assim, expressassem características de alto desempenho zootécnico. Os resultados da tabela 2 demostram que a adição de 500g/ton do Nucleobase 1.5 na dieta das poedeiras influenciou positivamente (P<0,05) o desempenho zootécnico no período total avaliado.

Tabela 2. Resultado acumulado para consumo de ração (CR), Produção de ovos (PR), Peso
do ovo (PO), Massa de ovo (MO), Conversão Massa de ovo (CMO) e unidade Haugh (UH)

Assim, na produção de ovos, em função da melhor arquitetura da mucosa intestinal, as aves apresentaram aumento considerável para taxa de postura (1,6%), peso do ovo (1,4%), deposição de massa de ovo (3,2%) e unidade Haugh (1,4%) quando alimentadas com dietas suplementadas com 500g/ton de Nucleobase 1.5 em relação àquelas do Controle. De forma prática, isto significa uma produção de quase 90 ovos a mais, com um peso e qualidade que podem gerar ganhos reais ao produtor.

 

CONCLUSÃO
Uma fonte exógena padronizada de nucleotídeos na dieta de poedeiras comerciais tem efeito direto na mucosa intestinal e consequente resultados zootécnicos. A ação do Nucleobase 1.5 pode otimizar a função de divisão rápida dos tecidos, particularmente quando o crescimento e demanda são acelerados. Esta ferramenta de nutrição de precisão promove uma estrutura intestinal mais desenvolvida e íntegra, sendo possível observar ganhos expressivos em características de desempenho gerando uma vantagem econômica para o produtor.

Aleris




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies