Alimentação inteligente: alimentador automatizado na piscicultura Alimentação inteligente: alimentador automatizado na piscicultura
 
26 abr 2021

Alimentação inteligente: fundamentos do alimentador automatizado na piscicultura

Trabalhar com comedouros automatizados permite aos produtores um grande salto em eficiência que pode revolucionar os negócios, reduzindo os custos e aumentando o crescimento.

 

Os alimentadores automatizados se enquadram em duas categorias principais: sistemas de alimentação automatizados centralizados e sistemas de alimentação automatizados não centralizados.

Os sistemas de alimentação automatizados centralizados possuem silos de alimentação central, com sopradores e mangueiras para distribuir a alimentação aos diferentes tanques. Grandes quantidades de ração podem ser carregadas nos silos, reduzindo a quantidade de trabalho necessária para carregar os alimentadores. Uma tremonha ou elevador pode ser usado para encher os silos, reduzindo ainda mais o trabalho. Esses alimentadores possuem programas de controle sofisticados e software de alimentação para ajudar a gerenciar a alimentação e o estoque. Os sistemas centralizados têm um alto custo e devem ser customizados para a piscicultura, mas são a forma mais eficiente de entregar grandes volumes de ração aos peixes.

Os sistemas de alimentação automatizados não centralizados fornecem a ração aos peixes por meio de alimentadores individuais e independentes localizados no tanque. Há uma grande variedade de alimentadores nesta categoria, mas geralmente, cada alimentador está localizado no tanque com seu próprio silo. A ração é distribuída ou injetada para os peixes com base em um simples cronômetro ou programa de controle. Esses alimentadores vêm em todos os formatos, tamanhos e faixas de preço e muitos modelos diferentes podem ser encontrados em uma única piscicultura.

 

O alimentador certo para sua piscicultura

Alimentadores automatizados não são baratos e escolher o sistema errado pode ser um erro caro, especialmente quando você entra em sistemas centralizados. O comedouro certo é aquele que melhor atende às necessidades da piscicultura, dos peixes, e reduz substancialmente a mão de obra. A piscicultura deve avaliar cuidadosamente o potencial alimentador e pensar sobre como a mão de obra e o fluxo de trabalho serão afetados.

Aqui estão algumas considerações importantes ao escolher um sistema de alimentação automatizado:

  • Qual é o tamanho do silo e com que frequência pretendo enchê-lo? Cada comedouro deve conter ração suficiente para o dia inteiro na ração máxima, para que seja enchido apenas uma vez.
  • O alimentador oferece distribuição de alimento eficaz? Quanta ração pode efetivamente entregar?
  • O que acontece quando fica molhado? O clima e a ração dos peixes podem danificar e contaminar a ração.
  • Como funciona com diferentes tamanhos de ração? As peças necessitam de ser trocadas e recalibradas com qual frequência?
  • O que é o programa de controle e quais opções ele oferece? Ele pode mudar a velocidade ou programar o horário de arraçoamento? É fácil alterar a programação?
  • O sistema é muito barulhento ao ponto de assustar os peixes?

 

Olhos no peixe

Observar os peixes é a essência da alimentação. Observá-los se alimentando, julgando seu comportamento, sabendo quando precisam de mais ou menos ração, é como os piscicultores alimentam os peixes – o sistema automatizado de ração não pode fazer nenhuma dessas coisas. Como o trabalho é reduzido e os comedouros distribuindo a maior parte da ração, os piscicultores novatos têm a impressão de que, uma vez que os silos estejam cheios e o programa estabelecido, a alimentação está de alguma forma “cuidada” e eles deveriam apenas deixar o sistema funcionar.

Muitas vezes, isso resulta em resíduos de alimentação no fundo, peixes subnutridos e alimentadores com defeito.

 

Elemento humano

Os fundamentos da alimentação não mudam com os sistemas automatizados, o técnico ainda está no centro. O sistema de alimentação automatizado é configurado para auxiliar o trabalho do técnico. Um sistema de alimentação automatizado em uma piscicultura deve ser considerado como uma peça do equipamento que o técnico está operando.

Os técnicos ainda precisam visitar cada tanque em intervalos regulares para fornecer alimentação manual às extremidades, observar a alimentação dos peixes e observar o funcionamento dos comedouros. Alimentar os peixes manualmente ainda é essencial para avaliar o comportamento e a resposta da alimentação, e os alimentadores automatizados precisam de ajustes com base nas observações.

Só porque há um cronograma de alimentação pré-programado não significa que os peixes vão seguir esse cronograma, seu apetite e comportamento ainda precisam ser monitorados.

Algumas fazendas determinarão uma porcentagem da ração diária que desejam alimentar manualmente e definirão uma linha de base para seus comedouros automatizados e suplementarão com a alimentação manual conforme necessário.

Com consideração cuidadosa e os sistemas de alimentação corretos, o criador de peixes pode criar um plano equilibrado para agilizar as operações e aproveitar ao máximo seu investimento em tecnologia.

Fonte: Ron Hill | Hatchery 




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 1 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies