Alternativas ao milho para produção de ração são discutidas no sul Alternativas ao milho para produção de ração são discutidas no sul
 
12 mar 2021

Alternativas ao milho para produção de ração são discutidas no sul

alta do milho e do farelo de soja, insumos importantes para a produção de ração, evidenciou a dependência que a avicultura e a suinocultura têm de safras cada vez maiores. Mesmo com o Brasil se superando ano a ano, a demanda internacional enxugou a oferta e esmagou a rentabilidade de muitos criadores.

Diante disso, mais de 50 profissionais reuniram-se virtualmente para discutir formas de superar problemas climáticos e ampliar a produtividade do trigo, aveia, cevada e das cadeias de aves e suínos, principalmente no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina.

Para reduzir dependência de milho, SC quer estimular produção de outros cereais
A reunião foi aberta pelo presidente da Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), Gedeão Pereira. Ele destacou que o estado possui características diferentes dos demais e particularidades climáticas e geográficas dentro do próprio território.

 

“Pensávamos em algo para o estado considerando essas características. Era uma grande preocupação, e o ex-ministro Francisco Turra deu o empurrão”, revelou Pereira.

A Embrapa Trigo, que estuda culturas de inverno para suplementação na ração desde 1987, tem pesquisas ratificadas pela unidade Suínos e Aves e fornece o subsídio tecnológico para o movimento. “Enquanto o Brasil fala em três safras, estamos com 1,09 (safra). Temos uma enorme produção de soja no verão e, no inverno, uma safrinha de trigo. O resto da área está praticamente ocioso”, completou.

 

Otimização de culturas de inverno

Líder de um movimento que visa otimizar essas culturas, o ex-ministro e presidente do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Francisco Turra, destacou o papel fundamental dos líderes rurais para o êxito da iniciativa.

 

“Uma grande ideia precisa de grandes propagadores. O êxito está nisso. No Rio Grande do Sul, quando acontece uma seca brutal, como na safra passada, a perda de renda para todos é muito forte. Falando sobre o ponto de vista da proteína animal, abrimos um canal para o mundo que hoje é irreversível”, afirmou Turra, ao demonstrar preocupação na manutenção das exportações de aves e suínos.

A recente quebra na safra de milho, segundo Turra, reverbera em Brasília. A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, apoia a iniciativa das entidades, manifestada durante o lançamento da iniciativa no Palácio Piratini.

“Repentinamente, nosso milho ganhou repercussão mundial. Somos apoiadores. Com isso, tivemos uma adesão sem precedentes da agroindústria, que busca desesperadamente uma alternativa para reposição desse grão. Nosso objetivo é agregar valor e aproveitar uma oportunidade única”, frisou.

“Temos um produto brasileiro, onde vamos aumentar a renda do produtor, ocupar nossa área de cultivo, aumentar a produção, entre outros. A indústria de máquinas, de serviços e empregos, todos setores agradecem,” finalizou o representante da ABPA. O grupo marcou nova reunião para dia 24 e trabalhar na construção de um projeto conjunto. Também está previsto o convite para que outras entidades representativas, como a própria indústria, integre-se ao movimento.

 

Por: Canal Rural




REVISTA NUTRINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies