Bem-estar animal: consequência na produção de ruminantes.
 
17 dez 2021

Bem-estar animal: consequência na produção de ruminantes

Há uma crescente demanda global por sistemas de criação que favoreçam o bem-estar animal. As boas práticas do bem-estar animal são compostas pelas cinco liberdades:

Estar livre de fome e sede
Estar livre de desconforto
Estar livre de dor e doenças
Ter liberdade para expressar os comportamentos naturais da espécie
Estar livre de medo e de estresse

A ausência dos princípios do bem-estar afeta a saúde do animal, desempenho e qualidade da carne e do leite por meio de funções imunológicas suprimidas pelo estresse. Para ficar claro, vejamos a definição de estresse por Alexandre Rossetto Garcia, pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste:

Portanto, o manejo inadequado dos animais, como a apresentação de novos estímulos, transporte, violência e o uso de restrições, é um . Já o manejo favorável ao bem-estar pode reduzir o estresse e oferecer certos benefícios à saúde para os ruminantes.

Por exemplo, em comparação com um manejo adequado aos animais, um manejo estressante aumenta o medo do bovino em relação aos humanos e resulta em aumento da frequência cardíaca,  concentração total de cortisol no sangue, aumento da temperatura corporal e glicólise rápida (queda do pH). Além disso, o estresse afeta a secreção de ácido gástrico e o balanço de ativação dos sistemas nervosos simpático e parassimpático.

Quando o objetivo do sistema é produção de carne, é importante reduzir o estresse dos animais durante a rotina de manejo, pois se sabe, por exemplo, que animais agitados durante o manejo correm mais riscos de acidentes, levando ao aumento de contusões nas carcaças.

Além do manejo inadequado, o estresse calórico também é um dos principais fatores que afetam o desempenho dos animais, especialmente fêmeas em lactação. Um dos distúrbios causados no animal que sofre por estresse calórico é a redução da quantidade de saliva produzida, o que pode prejudicar a funcionalidade ruminal.

Portanto, não é surpreendente que o manejo das mudanças induzidas pelo estresse na produção de saliva por ruminantes afetará, por sua vez, o ambiente e a microbiota ruminal.

Além disso, essa alteração da microbiota ruminal pode ser prejudicial à digestibilidade da forragem e, consequentemente, à produção animal. Já, que diminui a população de bactérias celulolíticas.

Um estudo publicado em 2021, observou que ao provocar estresse em ovelhas através do manejo inadequadodiminuiu a capacidade do rúmen para digerir forragem, que nesse caso foi o feno. Isso foi devido à alteração da microbiota ruminal.

Além disso, neste estudo, os animais que receberam um manejo inadequado tiveram menor consumo e digestibilidade da forragem e ph ruminal. Observaram também que ovelhas expostas ao estress tinham mais bactérias patogênicas e menos bactérias celulolíticas no rúmen.

Os potenciais riscos de produção animal colocados por um manejo estressante, têm implicações no bem-estar dos animais, assim, no desempenho final em sistemas de produção de ruminantes.

 

Quer conhecer mais efeitos do estresse sobre a produção animal? Clique aqui!

 

 

Fonte: Handling stress-induced ruminal microbiota changes reduce grass hay degradability in sheep




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 3 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies