Estratégias nutricionais para redução de antimicrobianos em ruminantes Estratégias nutricionais para redução de antimicrobianos em ruminantes
 
28 jul 2021

Estratégias nutricionais para reduzir o uso de antimicrobianos em ruminantes

Estratégias nutricionais para redução dos antimicrobianos em ruminantes

Devido as crescentes restrições ao uso de antibióticos promotores de crescimento na nutrição animal, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), publicou o artigo “Estratégias de nutrição animal e opções para reduzir o uso de antimicrobianos na produção animal”. O documento visa promover as estratégias nutricionais para redução do uso de antibióticos nas várias espécies animais de interesse zootécnico.

A seguir, as principais estratégias pontuadas pela FAO, voltadas para ruminantes.

 

Bezerros 
A diarreia é um problema frequente em bezerros e por isso o uso de antibióticos é relativamente alto nessa faixa etária.

A ingestão de colostro nas primeiras seis horas após o nascimento é importante para o estabelecimento adequado da imunidade passiva (Godden, 2008). Idealmente, a alimentação com colostro em combinação com leite integral ou substituto do leite deve continuar até que os bezerros tenham dois ou três dias de idade. É importante também que bezerros tenham acesso irrestrito à água.

Os bezerros passarão por várias transições críticas em um curto período de tempo, como o desmame, introdução do leite integral ou substituto do leite, realocação, transição para alimentação sólida com volumoso e concentrado (Drackley, 2008). A realocação de bezerros, envolvendo considerável estresse social, e a mudança em sua dieta é um período durante o qual o risco de disbiose é significativamente elevado (Enríquez, Hötzel e Ungerfeld, 2011).

Medidas de segurança alimentar adequadas, como pasteurização, são aconselhadas quando leite integral é fornecido a bezerros, não apenas por razões de higiene alimentar em geral, mas também para prevenir a transferência de doenças do rebanho para os bezerros (Godden et al., 2005).

Em contraste com leitões e frangos de corte, a capacidade dos bezerros de digerir o amido é limitada (Coombe e Smith, 1974). Por razões econômicas, certas proteínas vegetais podem ser utilizadas, como glúten de trigo hidrolisado ou isolado e concentrado de proteína de soja, cuja antigenicidade e a presença de fatores antinutricionais são reduzidas como resultado do processamento em altas temperaturas (Lallés, 1993; Toullec, Lallès e Bouchez, 1994).

Além disso, os fabricantes de substituto do leite usam fontes de gordura altamente digestíveis e métodos para melhorar a lipossolubilidade e digestibilidade (Hill et al., 2009; Radostits e Bell, 1970; Raven, 1970). Todas essas medidas são necessárias para produzir um substituto do leite que seja capaz de atender às necessidades nutricionais e funcionais dos bezerros e atingir as propriedades físico-químicas desejadas da dieta líquida.

Nessa fase, um plano nutricional, contendo altos níveis de substituto do leite/leite integral, pode ser benéfico para o desempenho e a saúde (Johnson et al., 2017). Após a fase de leite, que geralmente continua até a idade de seis a dez semanas, os bezerros vão receber gradativamente mais volumoso e concentrado, o que estimulará o desenvolvimento e a maturação do rúmen.

Medidas dietéticas adicionais para reduzir a incidência e gravidade da diarreia incluem o uso de proteínas funcionais, como plasma seco ou ovo em pó, derivado de ovos produzidos por galinhas hiperimunizadas. No entanto, restrições regulatórias podem proibir o uso de coprodutos animais.

Dos possíveis aditivos alimentares, os pró e prebióticos são os mais comumente usados ​​no substituto do leite para promover a saúde do TGI (Timmerman et al., 2005; Uyeno, Shigemori e Shimosato, 2015).

Pré e probióticos também podem ser combinados com aditivos para rações com propriedades antimicrobianas. Por exemplo, o leite acidificado e com um pH na faixa de 4 a 4,5 melhora a saúde do TGI em vitelos (Todd et al., 2017).

Além disso, a suplementação do substituto do leite com ácido butírico ou butirato demonstrou promover o desenvolvimento da papila ruminal em bezerros (Gorka et al., 2009; Kato et al., 2011; Mentschel et al., 2001; Sander et al., 1959). O butirato também foi associado as funções gastrointestinais relacionadas à integridade do TGI e mecanismos de defesa em bezerros (Guilloteau et al., 2009).

 

 

Leia também!

Lisolecitina: uma alternativa para aumento no desempenho de bezerras leiteiras durante o período de aleitamento

 

Vacas leiteiras

O uso de antibióticos em sistemas de produção de leite é limitado. Normalmente, os antibióticos são usados ​​para controlar a saúde do úbere para prevenção e tratamento da mastite durante a secagem e no início da lactação (Krömker e Leimbach, 2017).

A mastite pode causar perdas econômicas significativas afetando a produção de leite, a qualidade do leite e a longevidade das vacas leiteiras (de Vliegher et al., 2012). O risco de mastite é maior quando as vacas são expostas ao estresse térmico. A incidência de mastite está relacionada a outros problemas de saúde em vacas leiteiras, como febre do leite, cetose, acidose e metrite.

Essas doenças ou distúrbios ocorrem principalmente durante a fase de transição, quando os desafios gastrointestinais e metabólicos na época do parto, bem como o balanço energético negativo no início da lactação, são fatores predisponentes para o desenvolvimento de problemas de saúde (Ingvartsen e Moyes, 2013; Raboisson, Mounié e Maigné, 2014).

As estratégias de prevenção e controle que não envolvem antibióticos incluem medidas relacionadas com ambiente de criação, higiene, bem-estar, manejo, vacinação e nutrição (Gomes e Henriques, 2016).

 

Leia também!

Influência do sistema compost barn na nutrição, produção e qualidade do leite

 

Semelhante às porcas, o processo de parto em vacas é um período de transição crítico, durante o qual uma profusão de eventos ocorre, e que podem afetar negativamente a defesa do hospedeiro e fornecer uma oportunidade para os patógenos causarem infecção (Bradford et al., 2015).

A redução na ingestão de volumoso e concentrado que coincide com o parto pode causar desregulação das funções gastrointestinais e tem sido associada a distúrbios e doenças pós-parto, como placenta retida, metrite e mastite (Conte et al., 2018; Huzzey et al., 2007; Luchterhand et al., 2016; Rhoads et al., 2009).

Padrões de ingestão de ração reduzidos e irregulares também estão associados a níveis elevados de marcadores inflamatórios em vacas leiteiras (Garcia, Bradford e Nagaraja, 2017; Min et al., 2016). Portanto, é recomendado incluir altos níveis de fibra e manter um nível de alimentação consistente durante todo o período de parto, a fim de apoiar o funcionamento gastrointestinal, estimular a ruminação e reduzir o risco de inflamação e doenças metabólicas.

Uma segunda área que requer atenção antes do parto, é garantir que a vaca seja capaz de mobilizar o cálcio das reservas corporais. A mobilização insuficiente de cálcio das reservas corporais em torno do parto pode levar a níveis inadequados de cálcio no sangue em vacas leiteiras, uma doença metabólica conhecida como hipocalcemia ou ‘febre do leite’.

A maior incidência ocorre no primeiro dia pós-parto. A febre do leite também pode predispor as vacas leiteiras a outros distúrbios e doenças, incluindo metrite e mastite, para as quais o tratamento com antibióticos pode ser necessário.

Esse risco pode ser reduzido por meio de várias medidas dietéticas, incluindo a alimentação com níveis reduzidos de Ca antes do parto, diminuindo o equilíbrio cátion-ânion da dieta e garantindo magnésio alimentar suficiente e suplementando com cálcio imediatamente após o parto (Goff, 2008).

Após o parto, a vaca em lactação entrará em um estado de balanço energético negativo, onde as demandas de nutrientes da produção de leite não são atendidas por meio da ingestão de nutrientes na dieta.

O incentivo à ingestão de matéria seca ajudará a evitar um balanço energético negativo grave e a reduzir o risco de desenvolver doenças metabólicas, como a cetose. A cetose é causada pela liberação excessiva de ácidos graxos não esterificados do fígado e das reservas de gordura corporal. A estratégia de fornecer dietas de “energia controlada” para atender às demandas de energia e evitar a superalimentação no final da gestação pode ser usada para programar o fígado para utilizar de forma mais eficaz os ácidos graxos não esterificados no período de periparto.

No entanto, há também o risco de “alimentar em excesso” a vaca com carboidratos de rápida fermentação, o que pode levar à acidose ruminal subclínica e acidose intestinal (Owens et al., 1998; Plaizier et al., 2008). O risco de acidose pode ser reduzido com diminuição da quantidade concentrado e fornecendo uma proporção relativamente maior de fibra na matéria seca em detrimento de amido, açúcares e fibras solúveis rapidamente fermentáveis (Humer et al., 2017; Krause e Oetzel, 2006).

Leveduras vivas e agentes tamponantes são os aditivos alimentares mais comumente usados ​​na nutrição de vacas leiteiras. Além desses ingredientes, outros aditivos alimentares também podem promover a saúde gastrointestinal.

O aumento dos níveis de vitamina E, selênio e fontes de oligoelementos orgânicos nas dietas de vacas leiteiras têm sido estudados extensivamente em relação ao funcionamento do sistema imunológico e antioxidante e seu efeito em outros parâmetros relacionados à saúde, incluindo a contagem de células somáticas como um marcador de saúde do úbere (O’Rourke, 2009; Spears e Weiss, 2008).

No geral, a prioridade em termos de alimentação de vacas leiteiras de alta produção durante os períodos de transição é estabilizar a fermentação ruminal e manter a vaca saudável. Isso deve ser alcançado em grande parte por meio da alimentação adequada das vacas secas para atingir as metas de condição corporal desejadas no parto e uma estratégia de alimentação apropriada na época do parto envolvendo rações contendo fibra eficaz suficiente.

 

Gado de corte

Com exceção de ionóforos e coccidiostáticos, o uso de antibióticos em bovinos de corte é principalmente restrito a bezerros jovens durante os períodos de realocação. Desse modo, os antibióticos são usados ​​principalmente para prevenir e tratar doenças respiratórias, como a doença respiratória bovina, e seu uso para infecções gastrointestinais é menos comum.

A acidose pode ser um problema em sistemas de criação intensiva, onde altos níveis de concentrados são fornecidos, e estratégias de intervenção semelhantes às descritas no parágrafo anterior em vacas leiteiras podem ser adotadas (Nagaraja e Titgemeyer, 2007).

Estabilizar a fermentação ruminal usando levedura viva ou ionóforos, e incluindo fibras, também se mostrou eficaz em bovinos de corte (Hernández et al., 2014).

 

 

As informações desta matéria foram retiradas do manual da FAO, intitulado “Animal nutrition strategies and options to reduce the use of antimicrobials in animal production” de autoria de :

  • Coen H.M. Smits Department of Research & Development, Trouw Nutrition, Amersfoort, the Netherlands
  • Defa Li State Key Laboratory of Animal Nutrition, China Agricultural University, Beijing, China
  • John F. Patience Department of Animal Science, Iowa State University, Ames, Iowa, USA
  • Leo A. den Hartog Department of Animal Nutrition, Wageningen University & Research, Wageningen, the Netherlands




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies