Estratégias nutricionais para reduzir os antimicrobianos na avicultura Estratégias nutricionais para reduzir os antimicrobianos na avicultura
 
27 jul 2021

Estratégias nutricionais para reduzir os antimicrobianos na avicultura

Devido as crescentes restrições ao uso de antibióticos promotores de crescimento na nutrição animal, a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), publicou o artigo “Estratégias de nutrição animal e opções para reduzir o uso de antimicrobianos na produção animal”. O documento visa promover as estratégias nutricionais para redução do uso de antibióticos nas várias espécies animais de interesse zootécnico. A seguir, as principais estratégias pontuadas pela FAO, voltadas para avicultura.

 

Matrizes pesadas
A nutrição de matrizes pesadas pode impactar o desempenho e a saúde de sua prole. A nutrição da reprodutora deve ser otimizada para propiciar a imunidade precoce em pintos de um dia e alta vitalidade (Hocking, 2007).

O uso de ingredientes funcionais em dietas de matrizes, como ácidos graxos poliinsaturados n-3, níveis de vitaminas supranutricionais e oligoelementos orgânicos podem auxiliar na competência imunológica em frangos de corte (Chang, Halley e Silva, 2016; Kidd, 2003).

Além disso, a nutrição paterna também pode afetar a qualidade do esperma e a subsequente viabilidade da prole (Chang, Halley e Silva, 2016). No entanto, relativamente pouco se sabe sobre o impacto da nutrição materna ou paterna no desenvolvimento do intestino, seu microbioma e função de barreira mucosa em frangos de corte.

 

Frangos de corte

As primeiras três a quatro semanas de vida são o principal período durante o qual os frangos de corte correm o risco de doenças gastrointestinais e infecções. Na eclosão, os frangos jovens serão expostos a um ambiente desafiador no qual alguns fatores-chave são importantes para o desenvolvimento adequado das capacidades de defesa do hospedeiro, como:

  • vitalidade
  • qualidade da imunidade passiva que receberam do saco vitelino
  • desenvolvimento inicial de seu microbioma
  • acesso imediato a ração e água

As práticas de incubação modernas significam que a transferência natural do microbioma da mãe (matriz) para a prole (frangos) é interrompida, e a exposição aleatória à microbiota no ambiente do incubatório geralmente leva à falta de controle sobre o microbioma inicial (Stanley et al., 2013b).

Nas semanas seguintes, infecções por coccidiose e Clostridium perfringens são as causas predominantes de infecções entéricas (M’Sadeq et al., 2015). A prevenção da coccidiose pode ser alcançada com o uso de aditivos anticoccidianos e é uma prática comum. Os anticoccidianos ionóforos não são estruturalmente relacionados aos antibióticos terapêuticos usados ​​na medicina humana e animal e, portanto, possuem baixo risco de resistência antimicrobiana contra antimicrobianos importantes do ponto de vista médico.

Recomenda-se o uso de anticoccidianos em frangos de corte para também prevenir infecções bacterianas secundárias, como a enterite necrótica causada por Clostridium perfringens. A vacinação contra a coccidiose pode ser uma estratégia alternativa, e certos fitoquímicos, como óleos essenciais derivados de orégano, também podem ajudar a prevenir a coccidiose (Bozkurt et al., 2013).

O acesso imediato a ração e água nas primeiras horas após a eclosão é fundamental para apoiar os mecanismos de defesa gastrointestinal. Uma vez que previne a desidratação e apoia as funções gastrointestinais que são fundamentais para o controle e desenvolvimento do microbioma gastrointestinal (Uni e Ferket, 2004). A ingestão de alimentos irá desencadear o peristaltismo, secreções e a liberação de resíduos do saco vitelino, além de aumentar o desenvolvimento do sistema imunológico inato.

A oferta de probióticos após a eclosão, seja via ração, água ou pulverização, é outra medida que pode estimular o desenvolvimento do sistema de defesa do hospedeiro (Baldwin et al., 2018).

A inclusão de estruturas volumosas na dieta pela adição de cereais moídos grosseiramente ou fibras grosseiras apoia o desenvolvimento e o funcionamento do proventrículo e da moela e melhora a pré-digestão da ração no intestino anterior. Benefícios semelhantes também podem ser alcançados incluindo cereais inteiros (Gracia et al., 2016; Plavnik, Macovsky e Sklan, 2002).

Uma segunda abordagem é reduzir o teor de proteína bruta da ração, atendendo aos requisitos de aminoácidos essenciais. Em geral, isso reduzirá o consumo de água e ajudará a prevenir problemas de cama molhada (Dunlop et al., 2016; Ferguson et al., 1998). Além disso, protegerá o TGI, reduzindo a formação de amônia e outros metabólitos putrefativos da degradação microbiana da proteína (Qaisrani et al., 2015).

Uma dieta com alto teor de proteína também é considerada um fator predisponente para enterite necrótica causada por Clostridium perfringens (Drew et al., 2004). Embora a redução do teor de proteína seja uma medida eficaz, deve-se tomar cuidado para que o teor de proteína não seja reduzido a um nível que impacte negativamente o consumo e eficiência da ração.

Tal como acontece com os leitões, a substituição parcial da gordura como fonte de energia pelo amido é a opção mais segura para a digestibilidade da energia quando os frangos de corte são expostos a patógenos (Amerah e Ravindran, 2014; Smits et al., 1997).

Polissacarídeos viscosos sem amido, presentes em cereais como trigo, cevada, triticale e centeio podem ter efeitos prejudiciais na digestibilidade dos nutrientes em frangos de corte (Choct, 2009). O aumento da viscosidade da digesta que eles produzem aumenta significativamente o tempo de retenção da digesta no intestino delgado, o que pode levar a uma atividade microbiana excessiva. A principal medida preventiva é suplementar a dieta com enzimas que reduzem a viscosidade dos polissacarídeos (Bedford, 2000). As enzimas mais comumente usadas são a xilanase e a ß-glucanase, que degradam arabinoxilanos e ß-glucanos viscosos, respectivamente.

Dos minerais que podem ser adicionados à alimentação, o cálcio e o sódio parecem ser os mais importantes para a saúde gastrointestinal dos frangos. Fontes de cálcio lentamente solúveis podem ser preferíveis a fontes altamente solúveis (Hamdi et al., 2015; Walk et al., 2012).

O aumento dos níveis de sódio acima dos requisitos mínimos, pode aumentar a ingestão de ração e o ganho diário até um certo nível, mas também aumentará a ingestão de água e pode levar a problemas de cama molhada (Murakami et al., 2000; Zduńczyk e Jankowski, 2014).

Ácidos orgânicos na ração ou água potável também podem auxiliar a função de barreira no intestino anterior (Andreopoulou, Tsiouris e Georgopoulou, 2014; Chaveerach et al., 2004; Dibner e Buttin, 2002; Khan e Iqbal, 2016; Ricke, 2003). Deve-se ter cuidado para que a ingestão de ração e água não seja afetada e que o pH da ração (in vitro) e da água não seja inferior a 3,5. Além disso, uma ampla variedade de aditivos para rações pode ser usada com frangos de corte para apoiar os mecanismos de defesa do TGI.

É claro que um único aditivo não pode ser visto como uma bala de prata para prevenir doenças ou infecções do TGI. Uma combinação de aditivos com diferentes modos de ação pode ser uma abordagem mais promissora quando se trata de reforçar os mecanismos de defesa do GIT, com certos aditivos escolhidos para promover a estabilidade e diversidade do microbioma e outros para apoiar a barreira mucosa e a função imunitária.

 

Perus
Medidas dietéticas semelhantes às usadas com frangos de corte também podem ser usadas para auxiliar a saúde gastrointestinal dos perus. Os níveis de proteína indigestível podem precisar ser limitados, e o amido, em vez de gordura e fibra, aumentará o desempenho em condições desafiadoras.

Uma diferença na morfologia e funcionamento do TGI em comparação com os frangos de corte é que o ceco dos perus e sua capacidade fermentativa são mais desenvolvidos. Uma proporção maior de fibra alimentar é fermentada, deste modo um nível mais alto de fibra pode ser incluído na dieta (Sklan, Smirnov e Plavnik, 2003).

O conteúdo de matéria seca da digesta é menor e a viscosidade da fibra alimentar é menos problemática para os perus, embora as enzimas ainda possam ser necessárias para auxiliar a digestão.

 

Galinhas poedeiras

Galinhas poedeiras alojadas no chão são, como frangos e perus, expostas ao risco de infecções por coccidiose e requerem medidas de controle adequadas. A coccidiose subclínica pode predispor as galinhas a outros problemas gastrointestinais.

Tal como acontece com frangos e perus, uma variedade de medidas dietéticas pode ser adotada para prevenir a disbiose em galinhas poedeiras. Em geral, estas seguem a mesma estratégia de intervenção de apoiar o sistema de defesa do hospedeiro e reduzir o risco de “distúrbios” gastrointestinais.

Dentre as medidas têm-se a redução do conteúdo de proteína das dietas que resultarão em menos fermentação proteica, reduzindo a formação de amônia no TGI e diminuindo os níveis de amônia no ambiente. No entanto, deve-se ter cuidado para que os requisitos de aminoácidos sejam atendidos (Ribeiro et al., 2016; Roberts et al., 2007).

A exposição a altos níveis de amônia pode afetar adversamente a saúde e a produção de poedeiras, reduzindo a função de barreira da mucosa no TGI e também nos pulmões (Kristensen e Wathes, 2000).

Incluir fibras insolúveis grosseiras na dieta ou cereais moídos grosseiramente também pode ser benéfico para poedeiras em termos de suporte ao desenvolvimento e funcionamento de seu TGI. No entanto, são escassas as evidências do efeito na saúde gastrointestinal e no desempenho de frangas jovens.

As galinhas poedeiras requerem uma dieta com níveis relativamente altos de cálcio e fósforo para formação da casca do ovo. Altos níveis de cálcio na dieta e o uso de calcário aumentam a capacidade de tamponamento da dieta e podem afetar a capacidade da galinha de reduzir o pH da digesta no proventrículo e na moela.

Evitar Ca excessivo, e limitar o teor de calcário em particular, é uma forma de prevenir esse problema. Outra opção é usar partículas grossas de calcário para diminuir a taxa de dissolução, embora os resultados de estudos que analisaram o impacto dessa prática no desempenho, na qualidade do ovo e na saúde tenham sido bastante inconsistentes (Araujo et al., 2011; Guo e Kim, 2012; Świątkiewicz et al., 2015).

Vários aditivos alimentares podem ser usados ​​para proteger a saúde gastrointestinal (Świątkiewicz et al., 2013), mas os distúrbios do TGI são menos comuns em galinhas poedeiras em produção do que em aves jovens. O TGI de poedeiras é mais desenvolvido e maduro e, portanto, mais resistente a doenças.

 

Leia também!

Aditivos equilibradores da microbiota intestinal na avicultura

 

As informações desta matéria foram retiradas do manual da FAO, intitulado “Animal nutrition strategies and options to reduce the use of antimicrobials in animal production” de autoria de :

  • Coen H.M. Smits Department of Research & Development, Trouw Nutrition, Amersfoort, the Netherlands
  • Defa Li State Key Laboratory of Animal Nutrition, China Agricultural University, Beijing, China
  • John F. Patience Department of Animal Science, Iowa State University, Ames, Iowa, USA
  • Leo A. den Hartog Department of Animal Nutrition, Wageningen University & Research, Wageningen, the Netherlands

 




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies