Fábricas de Ração: qualidade como sinônimo de aumento de lucratividade

23/08/2019

Mercado Nutrição Animal

As fábricas de premix e ração têm uma relevante importância para a produção animal no que tange aos custos de produção de carnes, além de contribuírem na saúde dos animais e e, em última instância, influenciam na saúde humana.

Devido a isso, o investimento em qualidade não pode ser ignorado, caso contrário, teremos prejuízos não só diretamente, considerando as operações que ocorrem nas fábricas, mas também indiretos, com reflexo em toda a cadeia de alimentos.

Conforme a FAO, vários incidentes críticos tiveram impacto na saúde animal e humana, impactando também na comercialização de rações e de alimentos; dentre eles destacase:

  • A BSE
  • Dioxinas
  • Micotoxinas
  • Contaminações por E. coli O157:H7
  • Desenvolvimento de resistência antimicrobiana
  • Podemos incluir ainda o perigo da Salmonella sp que muitas vezes está presente em fábricas de ração e premix.

Para diminuir o risco desses eventos, foram criados vários protocolos de qualidade que podem ser usados pelas empresas, e a escolha de qual implantar deve ser baseada em mercado de atuação, exigências de clientes, exigências legais, posicionamento da empresa frente a concorrentes e produtos fabricados (ração ou premix).

É importante salientar que as normas de qualidade que são exigência legal precisam ser implantadas e os demais protocolos são de adesão voluntária, como HACCP, ISO 22.000, FSCC 22.000, FAMI-QS, GMP +, dentre outros.

O que há em comum em todos esses protocolos é o seu caráter preventivo com relação a inocuidade dos produtos, no qual analisamos o risco desde as matérias-primas até o consumo dos produtos e que todas são baseadas no Codex Alimentarius², o qual desenvolve padrões e códigos de práticas com o intuito de tornar a produção de alimentos segura em qualquer país do mundo que seja signatário.

Se pensarmos apenas e unicamente no quesito inocuidade dos produtos que são colocados no mercado consumidor, o investimento em qualidade já se pagaria, porque estaríamos agindo na prevenção de doenças importantes, como destacado anteriormente. Mas qualidade vai muito além de inocuidade, é uma ferramenta de gestão do negócio, com requisitos específicos como os constantes na ISO 22000, FSSC 22.000 e FAMI-QS.

A gestão ou qualificação de fornecedores é um ponto extremamente sensível para as empresas, porque quando não elaborada e implantada da forma correta, acarreta em prejuízos, tanto para a qualidade, quanto para a produção; empresas que investem em qualificação dos seus fornecedores têm garantias de que receberão apenas o que foi contratado. Caso contrário, se não existirem regras claras sobre compra, devolução e troca de produtos, acabam por ter que utilizar uma matéria-prima, ou insumo com qualidade menor, o que leva a diminuição da qualidade dos produtos fabricados e tem reflexo negativo no consumidor

A geração de dados da qualidade também auxilia no retorno dos investimentos, à medida que nos permite fazer uma análise da situação de toda a operação e nos anteciparmos com relação aos investimentos futuros, além de nos mostrar quais pontos são frágeis, gerando economia de recursos ao utilizarmos os mesmos da maneira correta, em situações realmente necessárias.

Muitas empresas negligenciam a análise dos dados coletados e perdem a oportunidade de ter uma melhoria contínua, o que se espera de todo programa de qualidade, haja vista que qualidade não é algo estático, mas está em constante modificação, para que possamos melhorar nos pontos nos quais a organização não está tão bem.

As normas de qualidade também levam à diminuição de retrabalho e de produtos não-conformes, o que significa diminuição de custos e um melhor atendimento aos clientes.

  • Durante a implantação dos protocolos são revisados todos os procedimentos das operações e ajustados os mesmos, por isso a diminuição de retrabalho.
  • Como as normas são de caráter preventivo, nenhum perigo ou defeito pode passar de uma etapa para outra sem antes ser corrigido, diminuindo assim os produtos não-conformes, que acarretam reclamações, trocas, descarte de produtos e perda de clientes.
  • A reunião de análise crítica pela direção é um requisito presente em várias normas de certificação, no qual são analisados os indicadores de desempenho da qualidade e se mensura a satisfação dos clientes.
  • Outro ponto de oportunidade de melhoria contínua é a gestão de riscos, ou seja, a empresa deve conhecer e tomar medidas para os riscos que impactam tanto positivamente, quanto negativamente, e existem diferentes ferramentas que podem ser usadas para gerenciar os riscos.

É interessante notar a mudança que ocorre com os colaboradores, os quais, por meio de capacitações e treinamentos, tornam-se mais comprometidos com os seus trabalhos ao perceberem a importância de suas atividades para a garantia da saúde dos animais e das pessoas, impactando de forma positiva na produtividade e na diminuição da rotatividade de funcionários.

Ao englobar as várias áreas da empresa, como alta direção, compras, recursos humanos, produção, qualidade, vendas, entre outros, as normas tratam da qualidade em um sentido mais amplo e não apenas na questão inocuidade, o que leva a uma comunicação mais assertiva entre os diferentes departamentos para que o quesito qualidade seja alcançado

Os investimentos em qualidade sempre resultam em retorno, seja do ponto de vista econômico ou de inocuidade, além de aumentar a confiança na marca pelos consumidores. As empresas que ainda não fizeram esse investimento acabam por perder clientes, ou não conseguir alcançar novos mercados

Empresas que obtém uma certificação conquistam mercados e/ou clientes mais exigentes pela diminuição das incertezas nas negociações

No caso da avicultura, por ser, na sua grande maioria, composta por integradores, as fábricas de rações adquirem uma importância ainda maior, pelo fato dos animais sempre consumirem as raçoes produzidas na mesma fábrica, ou seja, em caso de contaminação, como por Salmonella sp, rapidamente o plantel seria afetado, acarretando em importantes prejuízos econômicos. Em suma, a qualidade deve ser vista como uma parte importante do negócio, porque produzir sem qualidade, ou com qualidade inferior, significa não otimizar os recursos utilizados nas operações e refletirá em toda a cadeia de alimentos.

www.agroqualita.com.br

Deixe seu comentário