Grãos serão determinantes no equilíbrio da crise mundial do Coronavírus

06/05/2020

Tendência

Enquanto grande parte do mundo tenta retardar a transmissão do novo coronavírus, em uma trajetória que poderá infectar milhões e matar centenas de milhares de pessoas, em muitos países a produção de grãos, principalmente de trigo, conseguirá manter “as coisas em ordem”. Foi isso que afirmou Arvin Donley, editor da World Grain.

Como resultado, a demanda por trigo disparou durante as primeiras semanas da pandemia, elevando os preços na Junta Comercial de Chicago e na Euronext em mais de 15%. Pelo menos no curto prazo, esse foi um desenvolvimento positivo em uma situação sombria que está tendo consequências econômicas e de saúde devastadoras para muitos países”, comenta. 

De acordo com ele, é muito cedo para determinar com precisão como a pandemia afetará as indústrias de grãos, moagem de farinha e moagem de ração. “Na última recessão econômica global em 2008-09, os preços do milho e da soja caíram quase 50% nas primeiras quatro semanas dessa crise. O declínio dos preços da soja e do milho desde o início da crise foi de cerca de 15%, mas de um ponto de partida mais baixo”, completa. 

“Um paralelo à crise atual é que os preços do petróleo caíram 77%, para US$ 33 por barril em 2009. No final de março deste ano, o preço por barril caiu ainda mais, para US$ 20 por barril, ante uma alta recente de US$ 63 no final de 2019. Isso se deve parcialmente a pedidos de abrigo no local nos Estados Unidos, China e outros países consumidores de petróleo que reduziram drasticamente o uso de automóveis, trens e aviões, levando a um impacto econômico prejudicial sobre os fabricantes de combustível”, indica. 

“A indústria de alimentos à base de grãos geralmente está bem posicionada para suportar severas crises econômicas devido à natureza essencial e durável de seus produtos. Mas com os economistas alertando que o desemprego global pode exceder os níveis da Grande Depressão da década de 1930, mesmo as indústrias que oferecem as necessidades mais básicas podem ter dificuldades para navegar com sucesso neste território potencialmente desconhecido”, conclui. 

Por Agrolink

 

Deixe seu comentário