Importância da inclusão de taurina e L-carnitina na dieta de cães e gatos


AUTOR(ES)

Caroline Fredrich Dourado Pinto

Zootecnista e Doutoranda em Zootecnia, PPG Zootecnia – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Luciano Trevizan

Professor do Departamento de Zootecnia – UFRGS

Importância da inclusão de taurina e L-carnitina na dieta de cães e gatos

 

A suplementação de alguns nutrientes purificados em dietas destinadas a animais de produção é uma forma de simplificar as dietas as tornando completas e seguras do ponto de vista nutricional. Na alimentação de animais de companhia a prática também foi adotada e possibilita a formulação de dietas específicas para cães e para gatos.

Assim, é comum que os tutores encontrem alimentos completos e balanceados para cães e gatos em que a taurina e a carnitina, dentre outras substâncias, estão elencadas na composição dos produtos.

 

TAURINA

Cães, classificados como onívoros, e gatos, carnívoros estritos, possuem características metabólicas e necessidades nutricionais diferentes.

Ao longo do processo de domesticação, os cães adquiriram capacidades metabólicas que os permitem sintetizar substâncias que os gatos não conseguem.

Exemplo é a taurina, um β-aminoácido sulfurado (ácido 2-aminoetanossulfônico) essencial para gatos, mas não-essencial para cães.

A estrutura química da taurina difere dos demais aminoácidos (Figura 1), o grupamento amino está ligado ao carbono β e não ao carbono α.

Adicionalmente, a taurina possui um grupamento sulfônico (-SO3) e não um grupamento carboxílico (-COOH). Assim, a taurina não se incorpora às proteínas permanecendo livre no citosol.

A biossíntese de taurina ocorre através dos aminoácidos sulfurados metionina e cisteína, que atuam como precursores. Através da atividade de duas enzimas chave, cisteína dioxigenase (CD) e cisteína sulfinato descarboxilase (CSD), o β-aminoácido é produzido endogenamente (Figura 1).

Em cães, ambas as enzimas atuam eficientemente na síntese de taurina. No entanto, em gatos a CSD possui atividade reduzida no fígado, aproximadamente 200 a 300 vezes menor do que a atividade em ratos (Stipanuk, 1985), o que implica no desvio da cisteína para síntese de piruvato.

Adicionalmente, os gatos possuem reduzida atividade da CD e baixa utilização de cisteína como metabólito para síntese de taurina.

Em gatos, apenas 20% da cisteína disponível é utilizada para síntese de taurina, enquanto em ratos esse teor é de 80%. Desta forma, os gatos são dependentes da ingestão de taurina via dieta para suprir o requerimento, uma vez que suas vias metabólicas, a partir de aminoácidos sulfurados, é desviada para a produção de compostos que serão úteis na geração de energia ou gliconeogênese.

 

 

Figura 1. Estrutura química e síntese da taurina.

 

Dentre as funções da taurina, destaca-se a sua participação na conjugação dos sais biliares que atuam na emulsificação dos lipídeos.

Além da taurina, a glicina também pode ser conjugada, porém, os felinos não são capazes de utilizá-la sendo dependentes da taurina para a conjugação. A maior fração dos sais biliares são reabsorvidos pela circulação enterohepática no jejuno e íleo.

No entanto, alguns microrganismos são capazes de desconjugar os sais biliares, liberando a taurina que pode ser reabsorvida ou degradada por bactérias, resultando na sua perda.

A deficiência de taurina pode ser clinicamente constatada dentro de semanas ou meses, sendo a degeneração da retina e a cardiomiopatia dilatada os principais distúrbios associados à sua deficiência em cães e gatos, além de danos sobre as funções reprodutiva e neurológica.

Hayes et al. (1975) observaram a ocorrência de degeneração central da retina em gatos em menos de 6 semanas após alimentação com dietas purificadas isentas de taurina.

A partir do exame de eletrorretinograma visualizou-se a redução da amplitude das ondas dos receptores do tipo cone.

Pion et al. (1998) constataram que apenas alguns cães alimentados com dietas livres de taurina apresentaram lesões hiperreflectivas bilaterais, quadro clínico similar à degeneração central da retina.

A taurina pode ser encontrada em elevada disponibilidade em frutos do mar e tecidos animais, como:

cérebro

musculatura esquelética

retina

vísceras como coração, fígado e rins.

Alguns insetos e algas também são capazes de sintetizar taurina, como Mazaella spp., Porphyra spp. e Chondracanthus spp. (McCusker et al., 2014).

A cardiomiopatia dilatada, associada a sintomas secundários como desidratação, letargia e hipotermia, foi primeiramente relacionada à deficiência de taurina em gatos por Pion et al. (1987). A taxa de sobrevivência de gatos com cardiomiopatia dilatada moderada a severa consumindo dieta suplementada com taurina é de 60%, enquanto gatos consumindo dieta sem taurina é de 20% (Pion et al., 1992a; Pion et al., 1992b).

Os distúrbios ligados às funções reprodutiva e neurológica são mais brandos comparados aos reportados na retina e coração. Dentre os danos reprodutivos, existem registros de reabsorção uterina, abortos e natimortos (Sturman et al., 1985; Sturman et al., 1986). Além disso, algumas raças apresentam predisposição como os cães Newfoundland, em que baixos níveis plasmáticos e totais de taurina podem desencadear problemas reprodutivos.

Os tecidos vegetais não possuem taurina, e bactérias possuem apenas pequenas quantidades. No entanto, fontes purificadas na forma cristalina estão disponíveis comercialmente podendo ser utilizadas para suplementação em dietas para cães e gatos.

De modo geral, grande parte das dietas completas e balanceadas para cães atualmente disponíveis no mercado não são suplementadas com taurina, pois os níveis dos precursores metionina e cisteína presentes na fórmula atendem aos requerimentos necessários para as suas funções e à quantidade a ser utilizada para a biossíntese de taurina.

Para gatos, a suplementação com taurina é prática comum em alimentos comerciais devido às características metabólicas intrínsecas da espécie previamente mencionadas. A recomendação de suplementação de taurina depende do processamento aplicado ao alimento (Tabela 1). Devido a sua elevada solubilidade em água, a taurina pode ser dissolvida quando exposta à umidade.

Assim, dietas úmidas são mais propensas a perda de taurina caso a água de cocção seja removida e descartada. Já as dietas extrusadas ou assadas possuem maior retenção de taurina, porém com algumas perdas durante o processamento (Spitze et al., 2003).

 

L-CARNITINA
A carnitina, nutriente essencial condicional, é uma amina quaternária (3-hidroxi-4-N-trimetilamino-butirato) que pode ser sintetizada no fígado e rins a partir dos aminoácidos essenciais lisina e metionina (Figura 2). A biossíntese de carnitina demanda ainda a presença de ferro, ácido ascórbico, niacina e vitamina B6.

Como acontece com a taurina, é comum que os tutores encontrem declarado na composição de alimentos completos e balanceados para cães e gatos a presença de carnitina. Especialmente em dietas light, sênior e terapêuticas, como aquelas dietas coadjuvantes no tratamento de cardio e hepatopatias.

 

Figura 2. Estrutura química e síntese de carnitina.

 

A carnitina está envolvida em passos importantes da produção de energia através da β-oxidação, na qual atua como transportador transmembrana de ácidos graxos livres de cadeia longa presentes no citosol celular para o interior das mitocôndrias (Kerner & Hoppel, 2000), permitindo assim a oxidação desses nutrientes e geração de adenosina trifosfato (ATP).





NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 3 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies