Importância da qualidade do milho e da soja na dieta de aves e suínos

26/08/2019

Nutrição Animal

Sendo a soja a principal fonte de aminoácidos digestíveis e o milho a principal fonte de energia em alimentos de aves e suínos no mundo, com poucas exceções, a importância da qualidade desses dois grupos de ingredientes é muito relevante.

Soja, soja integral e óleo de soja

Farinha de soja, soja integral e óleo de soja na ração de aves e farelo de soja na ração para suínos são os contribuintes mais importantes da soja para a nutrição monogástrica. Embora a maior ênfase no momento da comercialização seja justificada na quantidade de proteína bruta na farinha de soja, nutricionistas e formuladores em diferentes latitudes sabem muito bem que as quantidades líquidas de aminoácidos digestíveis e os níveis de fatores antinutricionais são, em última análise, determinantes da qualidade e eficácia econômica de um lote comercial de farinha de soja.

Como o processo de extração de óleo por solvente é o processo predominante no mundo, a qualidade da farinha de soja é altamente previsível com a informação que temos hoje porque indica que o processo de extração por solvente é bastante padronizado nas diferentes plantas em países diferentes e é, na verdade, um intervalo de especificações de processo que determinam as diferenças mensuráveis em qualidade.

Em contraste, a produção de soja integral é realizada em plantas relativamente pequenas, principalmente para autoconsumo, e há uma grande variedade de processos de tratamento térmico para gerá-la.

Como a farinha de soja já era um produto bem estabelecido no mercado na década de 1950, quando surgiu o conceito de soja integral, assumiu-se que os parâmetros de qualidade aplicáveis à farinha de soja se aplicariam automaticamente à soja integral. No entanto, um exame detalhado feito recentemente em vários lotes comerciais de soja integral indica, por exemplo, que na soja integral produzida por diferentes processos não há correlação estatística entre a atividade da urease e o conteúdo de inibidores de tripsina e, consequentemente, a atividade de urease não é um parâmetro efetivo para predizer o conteúdo de fatores antinutricionais residuais em soja integral, enquanto que para a farinha de soja é o contrário.

Da mesma forma, a solubilidade da proteína em hidróxido de potássio que tem sido utilizada como parâmetro de qualidade indireta na farinha de soja para estimar a extensão da reação de Maillard durante o processo, não é necessariamente um parâmetro de qualidade significativo para a soja integral, porque aparentemente em equipamentos de processo comercial a reação de Maillard é evitada pela quantidade considerável de óleo presente no grão da soja. Em outras palavras, a determinação direta dos inibidores de tripsina é o melhor parâmetro de qualidade para a plena utilização da soja integral em monogástricos

Milho

O milho amarelo constitui a grande maioria da contribuição deste cereal para a nutrição monogástrica, mas também é importante considerar o papel desempenhado por dois produtos derivados de outros processos que não do milho: glúten de milho (também conhecido como “glúten 60”, por seu conteúdo de proteína) e os grãos secos de destilaria, também conhecidos como “DDGS”, por sua sigla em inglês. A qualidade negociada do milho amarelo, particularmente do milho americano, é definida dentro da estrutura dos graus de classificação do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. Para fins práticos, o milho americano é o 2º mais comercializado. Milho e soja são commodities e, como tais, são negociados dentro de um intervalo de especificações pelo menor preço.

É nesse intervalo de especificações (que também poderia ser chamado de “variação entre lotes”) que a formulação/nutrição precisa aplicar a tecnologia disponível para ajustar a formulação às variações de qualidade de ingredientes e realizar uma nutrição precisa.

Na opinião do autor, há mais ferramentas no arsenal para ajustar a variabilidade na qualidade da farinha de soja do que a do milho. No entanto, a partir da equação para estimar a energia metabolizável do milho na Tabela Europeia de Valores Energéticos para Ingredientes para Aves (1989) e as equações de Noblet e outros (1994) para energias digestíveis, metabolizáveis e líquidas para suínos, foram geradas novas equações para estimar a energia do milho, nem todas no domínio público (CVB, por exemplo), mas Rostagno e colaboradores (Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos, 4ª Edição, Universidade Federal de Viçosa, 2017) publicaram regressões que permitem determinar a perda de energia metabolizável para aves de acordo com o grau de classificação e tipo de milho, isto é, grãos quebrados, impurezas, grãos atacados por fungos, grãos atacados por insetos e grãos atacados por várias causas (por exemplo, grãos queimados).

Existem outros fatores que afetam a qualidade do milho que merecem maior atenção, como o grau de contaminação com fungos e as oportunidades de evitá-lo. A contaminação de milho com grão de soja bruto em portos e navios pode parecer insignificante em certos mercados, mas pode não ser assim em outros, particularmente no contexto de níveis de inclusão total de produtos de soja (farinha de soja + soja integral) de até 35% em dietas para aves. O tamanho de partícula, isto é, a qualidade da moagem de milho que tem uma grande influência no tamanho da partícula de todo o alimento, merece consideração especial.

 

Deixe seu comentário