Indústria de nutrição animal no mundo fatura cerca de US$ 400 bilhões por ano

03/09/2019

Nutrição Animal

Segundo a IFIF (International Feed Federation) a produção de alimentos para animais no mundo é de aproximadamente um bilhão de tonelada por ano, o que gera um faturamento total de cerca de US$ 400 bilhões. Dessa cifra, a América Latina representa aproximadamente 15% da produção (US$ 60 bilhões por ano).

“A América Latina tem registrado uma boa participação no mercado da nutrição animal e a qualidade dos processos de produção tem como resultado um crescimento importante da região na comparação com o mercado mundial. Nossa expectativa é que 2019 continuará com essa tendência positiva”, comenta Pablo Azpiroz, presidente da FeedLatina (Associação Latino-americana de Nutrição Animal).

A produção total de alimentos para animais, em 2018, na região da América Latina foi de aproximadamente 163,3 milhões de toneladas, um aumento de 2,32% em relação a 2017. Segundo dados da FeedLatina, a indústria na região projeta um crescimento aproximado de 2,5% este ano com relação a 2018.

O setor avícola, a suinocultura e o ramo de bovinos são os que movimentam a indústria na América Latina. O crescimento na produção de alimentos para animais tem registrado desde 2009. “Nós sabemos que o setor deve estar 100% alerta sobre novas tendências de nutrição para continuar com os resultados que até hoje temos conseguido. Cada dia as empresas e organizações que trabalham nesta indústria têm que estar conscientes dos desafios regulatórios, industriais e ambientais. Por isso, nossa missão é construir alinhamentos entre os países da região para nos fortalecer e aproveitar essa vantagem competitiva frente a outros mercados no mundo” afirma Azpiroz.

Sobre a FeedLatina

A FeedLatina é uma associação sem fins lucrativos de indústrias e entidades de nutrição animal da região latino-americana e Caribe. Fundada em 2007 em São Paulo, Brasil, e com sede atual em Montevidéu, Uruguai, hoje a organização conta com associados em vários países da região.  Procura promover a educação na cadeia de nutrição animal; desenvolver uma rede de articulação científica e profissional; equalizar demandas técnicas e regulatórias; além de estimular o comércio regional justo e entre blocos econômicos.

Assessoria de imprensa da FeedLatina

 

Deixe seu comentário