Insetos e microalgas podem alimentar aves no futuro

15/07/2020

Pesquisa Tendência

Um estudo realizado na Alemanha, produzido por pesquisadores da Universidade de Göttingen, descobriu que a qualidade da carne de galinhas alimentadas com certos insetos ou microalgas atende a todos os padrões de consumo humano.

Apesar do fato de as dietas veganas e vegetarianas estarem se tornando cada vez mais populares, ainda existe uma demanda crescente em todo o mundo por produtos de origem animal para nutrição humana que contêm uma quantidade considerável de alimentos ricos em proteínas.

No entanto, de acordo com o estudo, alguns consumidores associam o cultivo de ração animal a mudanças no uso da terra, como o desmatamento, de modo que os cientistas procuram criar uma opção futura de alimento, independente da terra arável. A equipe de pesquisa analisou a engorda de galinhas usando diferentes dietas cuja base protéica era composta de farelo de soja, espirulina e insetos.

O crescimento animal, a qualidade da carne, principalmente a vida útil e a qualidade da ração foram investigadas. Os resultados de testes laboratoriais e sensoriais foram feitos em 132 frangos de corte no país. 

Dentre os resultados, foi descoberto que a farinha e a spirulina de larvas de mosca-soldado-pretas podem ser incluídas na alimentação das aves sem afetar adversamente a qualidade, galinhas alimentadas com farelo de mosca soldado preto produzem carne equivalente ao status quo e galinhas alimentadas com spirulina produzem carne com cor e sabor mais intensos. 

As microalgas são produzidas globalmente para biocombustíveis, ração animal e consumo humano, mas ainda são muito mais caras que o farelo de soja. Na União Europeia, os insetos estão próximos de serem aprovados para o consumo de frangos.

Por: AGROLINK | Leonardo Gottems

 

 

Deixe seu comentário