Internet das Coisas monitora produtividade e bem-estar em sistemas ILPF Internet das Coisas monitora produtividade e bem-estar em sistemas ILPF
 
03 ago 2021

Internet das Coisas monitora produtividade e bem-estar animal em sistemas de ILPF

Sensores de Internet das Coisas (uma tradução literal da expressão em inglês Internet of Things – IoT), colares inteligentes e balança de passagem serão usados de forma integrada para monitorar uma série de indicadores de produtividade, ambientais e de bem-estar animal em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Com isso, serão geradas tecnologias baseadas em modelos de Inteligência Artificial (IA) desenvolvidos pela Embrapa, usando como insumos os dados coletados pelos sensores e pela rede IoT, para apoio à tomada de decisão dos produtores.

Por meio de uma parceria firmada entre a Embrapa, a Huawei e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPQD) vão ser desenvolvidas aplicações tecnológicas para uso-piloto, que buscam melhorar a gestão e a produção em sistemas de integração. As empresas parceiras são responsáveis pela instalação da infraestrutura de conectividade, sensores de IoT e plataforma computacional, além de apoiar o desenvolvimento das soluções. A pesquisa terá duração de 12 meses e vai até abril de 2022, com orçamento de R$ 1,2 milhão.

Dois centros de pesquisa da Embrapa estão envolvidos diretamente nos estudos. A Embrapa Informática Agropecuária (SP) coordena o trabalho, visando desenvolver os algoritmos de Inteligência Artificial que darão suporte às aplicações relacionadas à predição de ganho de produtividade e ao índice de bem-estar animal para auxiliar o produtor. As tecnologias serão implementadas no campo experimental da Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande (MS), onde são conduzidas pesquisas de longa duração em ILPF, para a coleta de dados de microclima e monitoramento animal.

“A pesquisa a campo envolve três eixos: as variáveis fisiológicas do animal, o microclima e o ganho de peso. Os parâmetros de bem-estar animal e conforto térmico permitirão que o produtor rural perceba o nível de estresse do animal a campo e a interferência disso em sua produtividade”, relata Roberto Giolo, pesquisador da Embrapa em Campo Grande.

“Esse conjunto de dados de sensores, aliado à rede de Internet das Coisas e Inteligência Artificial, vai ajudar a antecipar o ganho de produtividade dos animais e aferir se o sistema de produção está alinhado às boas práticas. As informações são importantes também para a adoção de protocolos e a certificação dos produtores, com a obtenção do selo Carne Carbono Neutro (CNC) ou Carne de Baixo Carbono (CBC), por exemplo”, acrescenta o analista de TI da Embrapa Camilo Carromeu.

Em 18 hectares de área de ILPF do campo experimental, a equipe técnica vai monitorar 32 bovinos de corte distribuídos em três sistemas de ILPF, para coletar de forma automática dados fisiológicos e comportamentais relativos ao nível de bem-estar, acompanhar o ganho de peso diário e aferir dados de microclima das condições ambientais. Serão verificadas a temperatura cutânea, frequência cardíaca e respiratória dos animais, além de tempo estimado para abate, entre outros fatores.

“A ideia é coletar o maior número de variáveis e indicadores de conforto para fornecer alertas aos pecuaristas, por meio de aplicativo de celular ou sistema Web, que os ajudem a tomar as melhores decisões, sob o ponto de vista econômico e ambiental”, explica o analista da Embrapa Eduardo Speranza. Os estudos devem indicar a necessidade de desenvolver e automatizar outras ferramentas futuramente, para aperfeiçoar as aplicações.

Para Stanley Oliveira, chefe de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Embrapa Informática Agropecuária, essa parceria é uma experiência inovadora. Por meio do credenciamento no Comitê da Área de Tecnologia da Informação (Cati), do Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), a Unidade da Embrapa pôde se associar às empresas de tecnologia, que vão receber incentivos fiscais concedidos pela Lei de Informática, para investir em P&D nas áreas de hardware e automação.

Transformação de dados em informação

“As aplicações de Inteligência Artificial e Internet das Coisas podem criar uma grande revolução no setor da pecuária, por meio de possibilidades de automação e transformação de dados em informação, em tempo real – graças à conectividade móvel, em diversos setores da cadeia produtiva”, afirma Bruno Zitnick, diretor de Relações Públicas e Governamentais da Huawei. “Nessa parceria com a Embrapa e CPQD, os dados coletados pelos sensores serão enviados à nuvem da Huawei, que contém Inteligência Artificial, para que toda a solução em desenvolvimento seja baseada nela. Isso vai permitir que o produtor tenha uma visibilidade sobre a produtividade do gado que hoje ele não tem, o que irá ajudar na tomada de decisão e, consequentemente, aumentará a eficiência e os ganhos na produtividade”, avalia.

A conectividade dos sensores será realizada por meio da rede móvel 4G NB-IoT, utilizando equipamentos Huawei. A solução de nuvem (cloud) da Huawei suportará o desenvolvimento de algoritmos com Inteligência Artificial embarcada. Pelo CPQD, serão fornecidos os componentes para a arquitetura de serviço, incluindo duas plataformas abertas que permitirão o armazenamento, a visualização e as análises dos dados em nuvem computacional.

“Essa parceria irá viabilizar uma solução tecnológica inovadora para atender demandas e agregar valor ao negócio dos produtores rurais brasileiros que operam no modelo ILPF. A combinação de Inteligência Artificial e IoT em uma plataforma integrada permitirá ampliar a previsibilidade e a produtividade no manejo e, ainda, contribuir positivamente para a sustentabilidade ambiental, com a redução na emissão de gases de efeito estufa”, declara Fabricio Lira Figueiredo, gerente de Desenvolvimento de Negócios em Agronegócio Inteligente do CPQD.

Uma das tecnologias que o CPQD deverá fornecer ao projeto é a Dojot, uma plataforma aberta desenvolvida pela empresa para acelerar a criação de aplicações de IoT voltadas à realidade brasileira. A Dojot nasceu como uma proposta open source brasileira e hoje possui uma comunidade de usuários distribuída por diversas empresas e instituições, de diferentes setores, que utilizam a plataforma no desenvolvimento de aplicações IoT em áreas distintas, como agronegócio, cidades inteligentes, saúde e indústria.

Outra plataforma aberta é a de Inteligência Artificial para o Agronegócio (PlatIAgro), que tem como objetivo facilitar a construção de aplicações baseadas em Inteligência Artificial (IA), como machine learning em geral, visão computacional e processamento de linguagem natural no contexto do agronegócio brasileiro. A intenção é prover um ambiente com características que permitam ao usuário gerenciar modelos, fazer experimentações, comparar resultados e implantar de forma automatizada, dando mais agilidade ao desenvolvimento de aplicações IA voltadas ao setor.

 

Leia também!

O uso de nanotecnologia e metagenômica na alimentação bovina

 

Nadir Rodrigues | Embrapa Informática Agropecuária

Fotos: Rodrigo Alva




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies