Mecanismos responsáveis pela tolerância do milho a altas densidades Mecanismos responsáveis pela tolerância do milho a altas densidades
 
15 abr 2021

Mecanismos fisiológicos responsáveis pela tolerância do milho a altas densidades

Estudo liderado por pesquisadores argentinos visa aumentar a produtividade do milho e de outras culturas de interesse agronômico.

Pesquisadores argentinos identificaram os mecanismos fisiológicos pelos quais os modernos genótipos de milho são mais tolerantes a altas densidades de plantio, atributo que permitiu aumentar a produtividade desse cereal nas últimas décadas na Argentina, Estados Unidos, Canadá e outras partes do mundo.

“A indústria de sementes de milho está em busca de novos genótipos superiores aos atuais, principalmente no rendimento (toneladas de grãos por superfície). Ao encontrá-los, eles os selecionam e os lançam no mercado. Agora, nem sempre os mecanismos fisiológicos responsáveis ​​por esse aumento de produtividade são identificados. Nosso trabalho deu um passo importante nessa direção ”, disse Juan Ignacio Cagnola, primeiro autor do estudo e pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Técnica (CONICET) na Argentina.

Por meio de experimentos em condições naturais no campo, bem como em condições controladas em estufas, os pesquisadores descobriram que as lavouras de milho com maior rendimento por hectare apresentam duas características fisiológicas distintas: suas folhas realizam mais fotossíntese e, ao mesmo tempo, apresentam menor taxa de respiração comparadas com genótipos de menor produtividade.

Cagnola explicou que os genótipos de maior rendimento geram mais energia por meio da fotossíntese de suas folhas, o que propicia o crescimento da espiga. “Eles têm a mesma superfície foliar, mas com menor biomassa, portanto, há uma maior produção líquida de energia”, acrescentou.

“Os resultados nos permitem desenvolver diretrizes para o melhoramento futuro do milho e de outras culturas”, disse o líder do estudo Jorge Casal, pesquisador sênior do CONICET e chefe do laboratório de Fisiologia Molecular de Plantas da Fundação Instituto Leloir (FIL).

Os resultados desta pesquisa foram publicados no “Journal of Experimental Botany”, em artigo intitulado “Artificial selection for grain yield has increased net CO2 exchange of the ear leaf in maize crops“.

Outros pesquisadores envolvidos são Martín Parco, Diego Rotili, Edmundo Ploschuk, Facundo Curin, Juan Ignacio Amas, Sergio Luque, Gustavo Maddonni, María Elena Otegui, que são relacionados ao IFEVA, CONICET, Faculdade de Agronomia da UBA, Centro de Pesquisa e Transferência do Noroeste da Província de Buenos Aires (CIT-NOBA-CONICET), Estação Experimental INTA Pergamino e Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade Nacional de Córdoba

Fonte: Agencia CyTA




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 1 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies