Modulação do pH ruminal com bicarbonato de sódio e óxido de magnésio Modulação do pH ruminal com bicarbonato de sódio e óxido de magnésio
 
07 mar 2021

Modulação de pH em vacas leiteiras

A produção de leite em gado leiteiro tem aumentado progressivamente ao longo dos anos e, consequentemente, a densidade energética da ração também tem aumentado na tentativa de atender às demandas nutricionais das vacas.

O aumento de energia foi alcançado por meio de aumentos no nível de carboidratos de alta fermentação (NFC) no rúmen e pelo aumento do extrato etéreo da dieta. No entanto, o aumento da quantidade de NFC pode levar à fermentação ruminal descontrolada e acúmulo de produtos finais (principalmente ácidos graxos voláteis, e, as vezes,  ácido láctico), o que pode diminuir o pH do rúmen (Agle et al., 2010).

A redução do pH do rúmen pode alterar a microbiota ruminal e causar algumas disfunções, como:

  • Alterações nos padrões de alimentação e ruminação
  • Diminuição da ingestão de matéria seca (CMS)
  • Queda no teor de gordura do leite

Para o controle do pH ruminal, inúmeros estudos avaliaram o uso de rações suplementares com tampões ou alcalinizantes como bicarbonato de sódio ou óxido de magnésio, respectivamente, além da suplementação com leveduras vivas ou culturas de leveduras.

A maioria dos estudos relatou aumentos na ingestão de matéria seca, produção de leite e teor de gordura do leite quando as vacas foram suplementadas com bicarbonato de sódio, embora em alguns casos, nenhuma resposta tenha sido encontrada. Ainda, há menos informações disponíveis sobre o efeito do óxido de magnésio no desempenho das vacas leiteiras.

Um estudo objetivou avaliar os efeitos do bicarbonato de sódio e de um produto à base de magnésio sobre o pH e a produtividade ruminal de bovinos leiteiros expostos a um desafio dietético visando à redução do pH ruminal.

 

Materiais e métodos

30 vacas holandesas em lactação (648 ± 67 kg PV; 44,4 ± 9,9 kg / d de leite; 155 ± 75 d de lactação) foram separadas pelo número de partos (9 primíparas e 21 multíparas) e distribuídas aleatoriamente em 3 tratamentos:

  • CTR: Este grupo recebeu uma ração mista total (TMR) sendo considerado o grupo controle
  • SB: o mesmo TMR, mas com suplementação de 0,8% de bicarbonato de sódio
  • MG: o mesmo TMR, mas com suplementação de 0,4% de um produto à base de magnésio

Após uma semana de exposição a este TMR, as 3 rações foram suplementadas com 1 kg / d de cevada, que foi então aumentada para 1 kg / semana até atingir 3 kg / d de cevada na semana 4 do estudo. Cada quilo de cevada substituiu 1 kg de forragem na dieta.

Sete vacas, por tratamento,  tiveram o pH intrarruminal que registrado a cada 15 minutos.

 

Resultados

Conforme a severidade do desafio da cevada aumentou, o consumo de matéria seca diminuiu, mas essa diminuição foi mais pronunciada nas vacas SB do que nas vacas MG, com uma resposta intermediária para as vacas CTR.

As vacas GM produziram mais leite quando desafiadas com 2 ou 3 kg / d de cevada adicional do que quando desafiadas com 1 kg / d, enquanto vacas CTR produziram menos leite com o desafio de 3 kg / d em comparação com 1 ou 2 kg / d e em SB as vacas mantiveram a produção de leite.

Uma diminuição no teor de gordura do leite foi registrada com desafios de cevada no grupo CTR experimentando uma diminuição mais severa do que vacas SB, que mantiveram valores de gordura do leite estáveis ​​ao longo do estudo, enquanto o grupo MG mostrou uma diminuição no teor de gordura do leite apenas com 3 kg / d de cevada adicional.

As vacas nos tratamentos CTR e SB apresentaram queda acentuada no pH ruminal com os 3 kg / d de cevada adicional, enquanto as vacas GM mantiveram o pH ruminal estável e apresentaram valor médio de pH ruminal (5,93 ± 0,04) superior às vacas CTR (5,83 ± 0,04) com 3 kg / d de cevada adicional; Vacas SB apresentaram valores intermediários (5,85 ± 0,04). Finalmente, vacas MG passaram menos tempo (32,3 ± 6,1%) com pH ruminal menor que 5,8 quando foram expostas ao desafio de 3 kg / d de cevada do que vacas CTR e SB (50,7 ± 5,02%).

 

Conclusões

A suplementação de MG previne a diminuição da ingestão de matéria seca e da produção de leite induzida por uma dieta rica em carboidratos com rápida fermentação ruminal.

A suplementação com SB previne a queda na gordura do leite, mas não previne uma diminuição na ingestão de ração.

 

Fonte: Bach et al., 2018 J. Dairy Sci. 101: 9777–9788 disponível em: https://doi.org/10.3168/jds.2017-14353

 




REVISTA NUTRINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies