Ocorrência e efeitos das micotoxinas em monogástricos


AUTOR(ES)

Márcia Gabrielle L. Cândido

Veterinária - Redatora nutriNews Brasil

Ocorrência e efeitos das micotoxinas em monogástricos

A contaminação por micotoxinas geralmente afeta um grande número de matérias-primas e rações destinadas à produção animal. O impacto econômico na produção animal abrange tanto o custo de eliminação de rações contaminadas quanto a redução da produtividade e desempenho. Nesse sentido, as micotoxinas também podem causar impacto na saúde humana por meio de subprodutos animais, como carne, ovos e leite, como resultado da ingestão de ração animal contaminada.

As micotoxinas são metabólitos secundários produzidos por fungos, principalmente por espécies dos gêneros Aspergillus, Fusarium e Penicillium e são contaminantes muito comuns dos cereais e seus subprodutos. As síndromes toxicológicas causadas pela ingestão de tais toxinas variam de mortalidade aguda a crescimento lento e redução da eficiência reprodutiva.

O consumo de toxinas fúngicas também pode resultar em comprometimento da imunidade e diminuição da resistência a doenças infecciosas (Oswald e Comera, 1998). A ocorrência de micotoxinas em alimentos para animais depende de alguns fatores, como:

 

Entre as micotoxinas comuns destacam-se a aflatoxina (AF), desoxinivalenol (DON), ocratoxina A (OTA), zearalenona (ZEN) e fumonisinas (FUM). Essas micotoxinas são conhecidas por exercerem efeitos tóxicos em animais de produção, causando redução da produtividade.

A distribuição mundial das principais micotoxinas está ilustrada na Figura 1.

 

 

Para prevenir efeitos negativos em animais e consumidores, muitos países regulamentam as concentrações de micotoxinas na ração. Na União Europeia (UE), por exemplo, níveis máximos são impostos para AFB1 e valores de orientação foram estipulados para fumonisinas, ZEN, DON e OTA.

No Brasil, por exemplo, a portaria MA/SNAD/SFA n° 07, de 09/11/88 estabelece no limite máximo de Aflatoxinas de 50 μg/kg para qualquer matéria prima a ser utilizada diretamente ou como ingrediente para rações destinadas ao consumo animal.

É importante destacar que as matérias-primas podem conter diferentes cepas de fungos micotoxigênicos e a maioria das cepas de fungos produzem mais de um tipo de micotoxina. Portanto, a cocontaminação de cereais com múltiplas micotoxinas é frequentemente observada (Smith et al., 2016).

Quando as matérias-primas da ração são misturadas para produzir ração composta, a cocontaminação por micotoxinas se torna ainda mais provável. Se as micotoxinas coocorrerem, seu efeito tóxico combinado pode ser aditivo, sinérgico ou antagônico, ou seja, igual, maior ou menor que os efeitos somados das micotoxinas individuais (Alassane-Kpembi et al., 2017).

Os efeitos tóxicos das micotoxinas são variáveis dependendo de suas diferentes estruturas químicas, bem como de sua concentração, tempo de exposição e da espécie, sexo, idade e vulnerabilidade do animal afetado. Em geral, os animais monogástricos e mais jovens são mais sensíveis às micotoxinas do que os ruminantes e os animais mais velhos (Magnoli et al., 2019).

As doenças causadas por micotoxinas, as micotoxicoses, reduzem a produção animal e aumentam as taxas de conversão alimentar. Além disso, geram maior morbimortalidade. Baixas concentrações de micotoxinas podem causar perdas subclínicas na produção e aumentar o risco e a incidência de outras doenças.

É importante considerar a exposição à cocontaminação por micotoxinas devido ao efeito aditivo prejudicial e/ou efeitos sinérgicos na saúde animal (Magnoli et al., 2019).

Em um monitoramento de 3 anos (2009-2011) da ocorrência mundial de micotoxinas em alimentos e rações, Rodrigues e Naehrer (2012) mostraram que 48% das 7.049 amostras analisadas provenientes das Américas, Europa e Ásia estavam contaminadas com 2 ou mais das micotoxinas (aflatoxinas, zearalenona, desoxinivalenol, fumonisinas e ocratoxina A).

Outro estudo conduzido na Europa indicou que 75-100% das amostras de ração animal continham mais de 1 micotoxina (Streit et al., 2012), enquanto a coocorrência de mais de 2 micotoxinas foi relatada em 95% das amostras de cevada espanhola (Ibanez-Vea et al., 2012).

A toxicidade das combinações de micotoxinas nem sempre pode ser prevista com base em suas toxicidades individuais. Além disso, os dados sobre os efeitos tóxicos combinados in vivo das micotoxinas são limitados (Grenier e Oswald, 2011).

O interesse científico pelos efeitos biológicos das misturas de micotoxinas tem aumentado nos últimos anos, mas o conhecimento sobre o assunto ainda é escasso. O monitoramento da coocorrência de micotoxinas permite identificar as misturas de micotoxinas mais prevalentes e, portanto, pode ajudar a priorizar os esforços de pesquisa e prevenção.

Em uma revisão de literatura, Grenier e Oswald (2011) apresentaram os principais efeitos em animais expostos com mais de uma micotoxina concomitantemente. Os principais destaques estão na Tabela 1.

 

 

A contaminação fúngica também influencia no valor nutricional e na palatabilidade da ração. A toxicidade e os efeitos deletérios das micotoxinas variam de acordo com muitos fatores, como:

Via de administração
Tempo e a quantidade de exposição
Dosagem administrada
Idade, sexo e saúde geral do animal
Presença de outras micotoxinas

(Magnoli et al., 2019)

 

 

Os efeitos em animais após a ingestão das micotoxinas variam de doença aguda e evidente com alta morbidade e morte, à doença crônica, com redução da resistência a patógenos e da produtividade animal.

No entanto, o principal problema associado à ração animal contaminada com micotoxinas não são os episódios de doenças agudas, pois são raros, mas sim a ingestão de baixo nível de toxinas que podem causar uma série de distúrbios metabólicos, fisiológicos e imunológicos (Grenier e Applegate, 2013).

 

Efeito das micotoxinas no trato gastrointestinal




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 3 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies