Riscos da alimentação de bovinos com algas marinhas | nutriNews Brasil Riscos da alimentação de bovinos com algas marinhas | nutriNews Brasil
 
14 mar 2021

Os riscos da alimentação de bovinos com algas marinhas como inibidoras de metano

Uma das maneiras possíveis de limitar as emissões de metano das vacas é alimentando-as com a alga Asparagopsis taxiformis. Esta alga contém altas concentrações de bromofórmio, uma substância que neutraliza a formação de metano no rúmen da vaca. Uma pesquisa da Wageningen University & Research (WUR) mostra que o bromofórmio pode ser encontrado no leite e na urina dos ruminantes.

O bromofórmio inibe a formação de metano no rúmen da vaca. No entanto, também é tóxico.” Afirma Wouter Muizelaar, pesquisador da Wageningen Livestock Research.

Pesquisas anteriores ligaram A. taxiformis a anormalidades na parede ruminal de ovelhas. “É por isso que queríamos saber qual o efeito do A. taxiformis nas vacas. O bromofórmio ingerido vai para o leite, urina, esterco ou tecido animal? O que acontece com isso? Esta pesquisa mostra que o bromofórmio de A. taxiformis pode acabar no leite e na urina. Uma indicação clara para reconsiderar se é desejável alimentar as vacas com esse tipo de alga. ”

 

Efeito de longo prazo desconhecido
A parede ruminal de 2 das 12 vacas foi examinada e, como nas ovelhas, revelou anormalidades e sinais de inflamação.

Isso preocupa Muizelaar: “O bromofórmio em sua forma pura é prejudicial à saúde. Pesquisas anteriores já mostraram isso. Não é sem razão que existem limites para a quantidade máxima de bromofórmio na água potável. Não existem tais limites para alimentos. O fato de que a substância agora também pode ser encontrada no leite é extremamente preocupante. A segurança alimentar deve estar sempre acima de qualquer dúvida“.

Muizelaar conclui que a alga contendo bromofórmio pode reduzir muito a emissão de metano das vacas, mas expressa a necessidade de novas pesquisas; para descartar efeitos negativos para vacas e consumidores.

 

Asparagopsis taxiformis

Esta pesquisa se concentrou nas espécies específicas de algas marinhas Asparagopsis taxiformis, por conterem quantidades concentradas de bromofórmio. Agora que o uso desse tipo de alga marinha levanta todos os tipos de questões, a questão é se você deve alimentar as vacas com algas marinhas.

Muizelaar explica que outras espécies de algas marinhas contêm menos ou nenhum bromofórmio, mas também podem reduzir o metano. “Eles funcionam de maneira um pouco diferente porque contêm outros compostos inibidores do metano. Portanto, ainda vejo as algas como uma opção promissora que devemos continuar a explorar.

Pesquisa de metano

O WUR vem pesquisando maneiras de reduzir ou prevenir a formação de metano na pecuária há anos. Por exemplo, estão investigando quais medidas podem ser tomadas em relação à alimentação animal, animais, estábulos e armazenamento de esterco. Mais informações sobre isso podem ser encontradas em www.integraalaanpakken.nl.

Esta pesquisa foi comissionada e financiada por: ProSeaweed, BluGrass e o Ministério Holandês de Agricultura, Natureza e Qualidade Alimentar.

Esta pesquisa é descrita com mais detalhes na revista científica Foods.

Fonte: Wageningen University & Research (WUR)




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies