Óleos essenciais como suplemento alimentar de vacas leiteiras Óleos essenciais como suplemento alimentar de vacas leiteiras
 
24 jun 2021

Pesquisa avalia o emprego de óleos essenciais como suplemento alimentar de vacas leiteiras

Tese do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia da Universidade Federal de Lavras (UFLA) mostra que é possível aumentar a eficiência alimentar e reduzir o estresse por calor com óleos essenciais de pimenta, orégano, canela e cravo da índia.

 

Os óleos essenciais têm se tornado cada vez mais conhecidos do público. Usados em variadas situações, como no tratamento de doenças ou até mesmo na conservação de alimentos, suas funcionalidades como antimicrobianos seletivos são temas de diversas áreas de pesquisa. Na Universidade Federal de Lavras (UFLA), a tese desenvolvida pela doutora Rayana Brito da Silva, na Faculdade de Zootecnia e Medicina Veterinária (FZMV), em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), avaliou o efeito da inclusão do princípio ativo dos óleos essenciais de pimenta, orégano, canela e cravo da índia em dietas de vacas leiteiras, como forma de melhorar o desempenho animal e reduzir o impacto ambiental da produção de ruminantes.

Os óleos essenciais já são utilizados em estudos da bovinocultura leiteira para promover uma maior eficiência da fermentação ruminal, que gera, entre outros produtos, a liberação de gás metano (CH4), considerado um gás de efeito estufa relacionado ao aquecimento global.

“O uso de óleos essenciais é uma tendência forte na nutrição de gado de leite, já que é um grupo de aditivos alimentares considerado seguro pelos consumidores de produtos de origem animal. O uso nessa área teve início como manipulador de fermentação ruminal, essa tem sido uma linha importante das pesquisas. É possível ter óleos essenciais que auxiliam no controle da acidose ruminal, um distúrbio metabólico das vacas leiteiras, ou óleos essenciais capazes de reduzir a quebra da proteína dietética no rúmen ou de alterar o perfil fermentativo, reduzindo a excreção de metano, por exemplo”, comenta o professor do Departamento de Zootecnia (DZO) Marcos Neves Pereira, que orientou o estudo.

Para a pesquisa desenvolvida na UFLA, um grupo de vacas confinadas da raça Holandesa foi submetido ao uso diário de uma mistura de óleos essenciais microencapsulados, composta pelos princípios ativos do carvacrol extraído do orégano, do cinamaldeído da canela, do eugenol do cravo da índia e da capsaicina proveniente da pimenta vermelha. Outro grupo de animais recebeu uma dieta sem suplementação. A dose diária do produto foi ao redor de 3 gramas por vaca.

 

Resultados

  • As vacas que utilizaram o composto de óleos essenciais tiveram uma maior eficiência alimentar, definida por maior produção de leite (+0,7 L/d) com menor consumo diário de matéria seca da dieta (- 600 g/d).
  • Os óleos reduziam a relação entre acetato e propionato no rúmen, uma alteração no perfil de fermentação que reduz a perda de metano.
  • Os óleos também aumentaram a taxa de sudorese e a oxigenação do sangue, e reduziram a temperatura corporal, demonstrando seu potencial para atuar no controle de estresse por calor, algo que causa grande prejuízo para a indústria leiteira mundial por induzir queda na produção de leite e na saúde e eficiência reprodutiva dos animais.

“As vacas que consumiram óleos essenciais apresentaram uma maior taxa de sudorese, o que auxilia na regulação da temperatura corporal em épocas quentes, reduzindo, dessa forma, o estresse térmico. Acreditamos que isso tenha ocorrido principalmente por conta da capsaicina oriunda da pimenta vermelha, que é capaz de causar dilatação dos vasos sanguíneos periféricos”, explica Rayana. Dessa forma, evidenciou-se a capacidade dos óleos essenciais de atuar sistemicamente, e não apenas sobre a fermentação ruminal.

O trabalho evidenciou também o potencial dos óleos essenciais para modificar o aroma de produtos lácteos, como explica o professor Marcos. “Fizemos a análise sensorial para saber se as pessoas conseguiam distinguir o leite das vacas suplementadas com óleos do leite das vacas não suplementadas, e isso se mostrou possível. Existem trabalhos internacionais que já buscam essa manipulação de produtos lácteos com o uso de óleos essenciais em vacas”.

Utilizar produtos naturais na alimentação das vacas leiteiras traz um apelo a mais para o consumidor. Esse tem sido o caminho de muitos países. “Essa é uma demanda do consumidor, produtos naturais com o mínimo processamento. Produtores e as indústrias do setor de nutrição animal buscam misturas de óleos essenciais para ganhar eficiência na produção, reduzir possíveis impactos negativos sobre o ambiente e gerar produtos com maior demanda pelo consumidor”, diz o docente.

Os resultados  da pesquisa estão disponíveis  no periódico internacional  Translational Animal Science.

 

Fonte: Coordenadoria de Comunicação | UFLA




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 2 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies