Pesquisa com amostras de milho de todo o país revela concentração de micotoxinas

18/02/2020

Nutrição Animal Pesquisa

O termo “micotoxinas define metabólitos fúngicos secundários que causam alterações bioquímicas, fisiológicas e/ou patológicas em espécies animais, plantas e micróbios. As micotoxinas são moléculas de baixo peso molecular (Mw <700) e tóxicas mesmo em concentrações baixas (Haschek & Voss, 2013). Embora centenas de compostos tenham sido isolados e caracterizados quimicamente como micotoxinas, apenas cerca de 50 foram estudadas em detalhe (CAST,  2003).

A pesquisa de micotoxinas 2019 da Adisseo incluiu amostras de milho de todo o Brasil. O número de amostras analisadas é definido como “n”. A pesquisa forneceu informações sobre a incidência de aflatoxina B1 (AfB1); n= 959, zearalenona (ZEN); n= 281, desoxinivalenol (DON); n = 305, toxina T-2; n= 210, toxina HT-2; n= 196, fumonisina B1 (FB1); n= 325, fumonisina B2 (FB2); n= 324 e ocratoxina A (OTA); n= 181.

As amostras de milho foram coletadas diretamente de fazendas ou locais de produção de ração animal. Foi recomendado aos fornecedores das amostras que seguissem os princípios da boa amostragem (Richard, 2000). A equipe de laboratório envolvida nas análises não estava envolvida na amostragem, portanto, não influenciou este processo em nenhum estágio. Todas as 8 micotoxinas foram analisadas por espectrometria de massa em tandem por cromatografia líquida (LC MS/MS) no LAMIC, Brasil.

Para fins de análise dos dados, os níveis de não-detecção foram baseados nos limites de quantificação (LOQ) do método de teste para cada micotoxina: AfB1 <1 μg/kg; ZEN <20 μg/kg; DON <200 μg/kg; FB1 <125 μg/kg; FB2 <125 μg/kg; OTA <2,5 μg/kg; toxina T-2 <100 μg/kg e toxina HT-2 <100 μg/kg.

Resultados

As concentrações médias das micotoxinas recuperadas foram de médias a altas. Os resultados mostraram que 93,8% das amostras de milho estavam contaminadas com FB1 (Tabela 1 e Figura 2). A concentração máxima de FB1 recuperada em uma das amostras foi de 10.224 μg/kg, uma concentração muito alta, especialmente se a ração contaminada for fornecida a suínos ou equinos. A concentração média de FB1 nas amostras positivas foi de 1.085,3 µg/kg, valor inferior à concentração média de 2018 (Figura 1). Os resultados também mostraram que 75,3% das amostras estavam contaminadas com FB2 e a concentração máxima recuperada foi de 3.086 μg/kg. Apenas 3,3% das amostras continham DON.

Como esperado, nenhuma das amostras foi contaminada com OTA e nenhuma das amostras continha toxina T-2 e toxina HT-2. Os níveis de LOQ usados ​​nesta pesquisa para as toxinas T-2 e HT-2 foram muito altos (100 μg/ kg), sendo este provavelmente o motivo pelo qual nenhuma das amostras mostrou contaminação com essas duas micotoxinas. O LOQ típico para a toxina T-2 e a toxina HT-2 em laboratórios europeus credenciados é de <10 μg / kg.

 12% das amostras foram contaminadas com AfB1, uma típica micotoxina produzida pelo Aspergillus. A concentração máxima de AfB1 recuperada foi de 251 μg/kg, que é muito alta e, de acordo com a legislação brasileira, não deve ser fornecida aos animais. A concentração máxima de ZEN recuperada foi de 1.399 μg/kg, o que também é uma preocupação, pois esses níveis de concentração podem causar efeitos prejudiciais à saúde em todas as espécies animais. A Figura 1 mostra a comparação entre a concentração média de amostras positivas em µg/kg (AB1 e FB1) de 2018 e 2019. Enquanto os resultados da aflatoxina B1 mostram tendência semelhante, os resultados da fumonisina B1 mostram que a concentração média de amostras positivas foi significativamente menor em 2019 do que em 2018.

Conclusão

A pesquisa de micotoxinas Adisseo 2019 concluiu que a colheita de milho do ano no Brasil foi de qualidade média (acima do LOQ porém abaixo do nível regulador do MERCOSUL) a baixa (acima do nível regulador do MERCOSUL) em termos de contaminação por micotoxinas. Com base nos resultados da pesquisa, a safra de milho de 2019 no Brasil não deve ser automaticamente considerada segura para inclusão em rações acabadas para todas as espécies animais e um grau de vigilância é prudente. Atenção especial deve ser dada à alta concentração média de FB1, encontrada em mais de 50% das amostras, bem como à concentração máxima recuperada, que atingiu 10.224 μg/kg.

Os regulamentos da aflatoxina nos alimentos são frequentemente estabelecidos para a soma das aflatoxinas B1, B2, G1 e G2. O limite para AfB1 em qualquer matéria-prima a ser utilizada diretamente ou como ingrediente para rações destinadas ao consumo animal é de 50 μg/kg (FAO, 2004). Nesta pesquisa, o limite regulatório do AfB1 foi excedido em 6 das amostras analisadas. As principais culturas agrícolas da América Latina (milho, soja, trigo, café, algodão, girassol, amendoim e cacau) são altamente suscetíveis à contaminação por fungos e produção de micotoxinas (Pineiro, 2004). Sabe-se que dezenove países que representam 91% da população da região possuem regulamentos específicos para micotoxinas. Regulamentos harmonizados para aflatoxinas existem no MERCOSUL, um bloco comercial composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Outros países indicaram que também seguem os regulamentos do MERCOSUL.

A vigilância é sempre aconselhável, pois os cereais nas rações animais se originam de muitas fontes. Alguns cereais colhidos nos Estados Unidos em 2019 demonstraram estar contaminados com concentrações médias a altas de micotoxinas.

A última linha de defesa possível é a desintoxicação de micotoxinas in vivo. A adição de inativadores comprovados de micotoxinas às rações para animais é um método muito comum de prevenção de micotoxicoses e é uma estratégia eficaz para manter baixo o risco de micotoxinas sob todas e quaisquer condições.

Adisseo é um dos principais especialistas do mundo em aditivos para alimentos para animais. O grupo possui 10 centros de pesquisa e locais de produção baseados na Europa, EUA e China para projetar, produzir e comercializar soluções nutricionais para alimentação animal sustentável. Com mais de 2.200 funcionários, a Adisseo atende cerca de 3.900 clientes em mais de 110 países diferentes através de sua rede de distribuição global. A Adisseo é uma das principais subsidiárias da China National BlueStar, líder na indústria química chinesa com quase 21.500 funcionários e um faturamento de 9,3 bilhões de dólares. O Adisseo está listado na Bolsa de Valores de Xangai. Saiba mais em http://adisseo.com/

Referências

  •     CAST.  (2003).  Mycotoxins: Risks  in  Plant, Animal,  and  Human Systems. Ames, Iowa, USA: Council for Agricultural Sciences and Technology.
  •     Food and Agriculture Organization (2004) Worldwide regulations for mycotoxins in food and feed in 2003. FAO Food and Nutrition Paper 81. Food and Agriculture Organization of the United Nations, Rome, Italy.
  •     Haschek,  W.M.  & Voss,  K.A.  (2013). Mycotoxins.  In  Haschek, W.M., Rousseaux,  C.G., Walling,  M.A., Bolon, B. & Ochoa,  R. (Eds.),  Haschek and Rousseaux’s  Handbook  of Toxicologic  Pathology,  Third Edition  (pp. 1187-1258). United States of America: Elsevier Academic Press.
  •     Moretti, A., Pascale, M. and Logrieco, A.F. (2019). Mycotoxin risks under a climate change scenario in Europe. Trends in Food Science & Technology Volume 84, February 2019, Pages 38-40
  •     Pineiro, M. 2004. Mycotoxins: Current issues in South America. In Barug, D., Van Egmond, H.P., López-Garciá, R., Van Osenbruggen, W.A. & Visconti, A. Meeting the mycotoxin menace. Wageningen Academic Publishers, the Netherlands, p. 49-68.
  •     Richard, J. (2000). Sampling and sample preparation for mycotoxin analysis. Romer® Labs Guide to Mycotoxins. 2. Romer® Labs Inc., 1301 Stylemaster Drive, Union, MO, USA 63084-1156.

Por Radka Borutova – Gerente técnica e científica, Adisseo France

1 Comment

Deixe seu comentário