Princípios básicos da nutrigenômica na nutrição de suínos
 
14 out 2021

Princípios básicos da nutrigenômica na nutrição de suínos

As ferramentas ‘Ômicas’ estão auxiliando os cientistas a elucidar os papéis da dieta e de componentes alimentares específicos tanto para humanos, quanto para bovinos, suínos e aves, espécies economicamente importantes. Neste artigo, focaremos na nutrigenômica na nutrição de suínos

A aplicação de ferramentas ômicas e da bioinformática na pecuária já está permitindo uma melhor compreensão da fisiologia animal e sua associação com alimentos, portanto, permitindo que nutricionistas elaborem dietas funcionais que melhoram o desempenho animal com base na exploração de todo o seu potencial genético.

No longo prazo, a pesquisa nutrigenômica está posicionada para ajustar as necessidades de nutrientes e aumentar a qualidade dos produtos de origem animal (ou seja, propriedades tecnológicas, saúde, segurança). Ghormade et al. (2011) resumiram as oportunidades da era pós-genômica que o novo campo da nutrigenômica criou, ou será capaz de criar, para a ciência e nutrição pecuária.

Na indústria de suínos, as ferramentas nutrigenômicas têm sido utilizadas por seus benefícios econômicos e para melhorar a nutrição e a saúde. No entanto, o uso de análises avançadas e mais holísticas ainda não é muito difundido.

A aplicação de “ômicas” fornece uma visão holística da fisiologia geral e das adaptações moleculares de um organismo em termos de genes e genoma (transcriptômica), proteínas e proteoma (proteômica) e metabólitos e vias biológicas (metabolômica).

Até o momento, a maioria dos estudos de nutrigenômica publicados tem se concentrado em uma das tecnologias para inferir sobre o papel dos nutrientes ou do ambiente na fisiologia animal, e poucos estudos publicados integraram duas ou mais tecnologias.

 

Nutrição suína

O fígado tecido adiposo e muscular receberam a maior ênfase de cientistas e nutricionistas no contexto da compreensão de como o animal se comporta sob manejo nutricional específico ou como reage a estressores ambientais específicos ou práticas de manejo.

Em relação ao último, as análises de ômicas têm sido úteis para entender como o fígado responde ao estresse ou ao jejum, juntamente com o tecido adiposo (Tao et al., 2017; Ren et al., 2018).

Além disso, como o metabolismo muscular, importante para a produção de carne suína, responde a restrições nutricionais específicas, ou a práticas de manejo destinadas a explorar o crescimento compensatório como estratégia nutricional (Lametsch et al., 2006; Liu et al., 2017).

A compreensão das diferenças ou semelhanças entre os diferentes tipos de reservas de tecido é um aspecto importante do conhecimento básico que os cientistas animais podem obter com esse tipo de análise. Por exemplo, comparando simultaneamente o transcriptoma de depósitos adiposos subcutâneos e viscerais, Wang et al. (2013) foram capazes de determinar as diferenças subjacentes à função imunológica em suínos.

Em relação à interação com dietas e nutrientes específicos, há amplo espaço para geração de conhecimento com essas tecnologias e os dados publicados são escassos. Até o momento, a maior parte do trabalho da nutrigenômica em suínos tem sido um modelo para nutrição humana.

Uma boa parte do trabalho aplicável existente diz respeito a fontes de gordura para dietas de suínos, onde a resposta do músculo e do tecido adiposo foi analisada para determinar os efeitos dietéticos. Foi relatado que o uso de óleo de girassol em suínos em crescimento como fonte de ácidos graxos monoinsaturados modula o metabolismo dos ácidos graxos da gordura das costas e induz um maior turnover.

A regulação positiva de genes relacionados à viabilidade celular indicou um papel protetor dos ácidos graxos monoinsaturados contra o estresse oxidativo e danos ao DNA. Park et al. (2012) estudaram como o tipo de gordura (de sebo bovino, azeite, soja ou óleo de coco) afeta a composição de ácidos graxos e a expressão gênica relacionada à sinalização da insulina no músculo longissimus dorsi.





NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 3 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies