Relação da nutrição e bicagem de penas | nutriNews Brasil Relação da nutrição e bicagem de penas | nutriNews Brasil
 
08 fev 2021

Relação da nutrição e bicagem de penas em aves domésticas

Bicagem de penas e canibalismo são causados ​​por um complexo de fatores genéticos e ambientais. Entre os fatores ambientais, a nutrição e o comportamento alimentar desempenham um papel importante. Enquanto os nutricionistas presumem que a bicagem das penas é causado por deficiências ou desequilíbrios de nutrientes, os etologistas procuram as principais causas dos impulsos relacionados à ingestão de alimentos.


O problema do canibalismo existe em galinhas, frangos de corte, perus e outras espécies de aves domésticas, como codornas e avestruzes. E embora o corte de bico seja eficaz na prevenção desse problema, em muitos países essa prática não é mais permitida.


Efeito do alimento

A aveia parece ser o tipo de grão que reduz a bicagem das penas em relação à cevada e ao trigo (Wahlström et al., 1998).  No entanto, em galinhas, esse efeito positivo depende do genótipo: algumas linhagens genéticas respondem  positivamente à aveia, outras não.

Comparando cevada e trigo, Brahamsson et al. (1996) encontraram uma melhor condição de plumagem em poedeiras alimentadas com uma dieta rica em cevada (25% cevada / 39% trigo) em contraste com uma dieta rica em trigo (50% trigo / 14% cevada).

Os grãos que contêm grandes quantidades de fibra têm um efeito positivo sobre a bicagem das penas e o canibalismo. Este efeito é, no entanto, altamente variável e sujeito a interações com o genótipo e o ambiente.

 

Nível de energia e proteína da dieta

O nível de energia metabolizável na dieta parece ter pouco efeito direto sobre o bicamento das penas e o canibalismo. Porém, como o nível de energia metabólica atua na regulação da ingestão de alimentos, pode afetar indiretamente o nível de bicadas, aumentando ou diminuindo a deficiência de certos nutrientes.

A falta de proteína animal tem sido considerada uma das causas de bicagem de penas e canibalismo. Richter e Hartung (2003) compararam dietas contendo 4% de farinha de carne e ossos e 4 dietas diferentes baseadas em proteínas vegetais. Houve uma tendência de maior mortalidade em algumas das dietas baseadas em proteínas vegetais. A plumagem das poedeiras alimentadas com 4% de farinha de carne e ossos foi melhor do que a das galinhas alimentadas com uma dieta baseada em matérias-primas vegetais.

 

A maioria das dietas de aves é altamente concentrada em níveis de energia e proteína, permitindo  ingestão de grandes quantidades de nutrientes em um curto espaço de tempo. O curto tempo necessário para o consumo de ração é considerado uma das principais causas de problemas comportamentais em animais de produção, pois, em condições naturais, gastariam cerca de 40 a 60% do tempo diário buscando alimento. No confinamento, o tempo gasto com alimentação é reduzido para aproximadamente 2 horas por dia.

O fornecimento inadequado de proteínas e aminoácidos, principalmente metionina e lisina, estimula a bicagem das penas e, em alguns casos, o canibalismo.

O efeito da arginina na dieta sobre a bicagem das penas não está claramente documentado.

O efeito benéfico do triptofano na bicagem das penas em diferentes espécies foi atribuído ao seu papel como um precursor da serotonina.

 

Nível de fibra da dieta

O efeito de dietas ricas em fibras na bicagem das penas não se deve apenas ao aumento do tempo gasto com alimentação.Verificou-se que a fibra insolúvel aumenta o tempo médio de retenção no TGI anterior e reduz o tempo de retenção no TGI posterior (Hartini et al., 2003). Os autores sugeriram que o aumento do enchimento do intestino anterior em resposta à fibra alimentar insolúvel faz as aves se sentirem mais saciadas e, assim, reduz o estímulo de bicadas nas penas, bem como o comportamento exploratório (aumento da atividade locomotora, bicadas no solo, etc.).

 

A deficiência de sódio nas dietas aumentou a bicagem de penas em muitos casos. O efeito de outros minerais e oligoelementos não mostrou resultados consistentes. Em geral, é reconhecido que a deficiência de nutrientes aumenta o comportamento exploratório, que pode ser direcionado para a cobertura de penas de companheiros de grupo.

 

Apresentação do alimento

Acreditava-se que a apresentação de alimentos com partículas grossas, principalmente grânulos e migalhas, podiam diminuir a bicagem de penas e canibalismo quando comparado a trituração fina. Esse efeito é explicado pela influência da forma do alimento e do tempo dedicado à alimentação.

O alimento moído reduz o tempo necessário para ingeri-lo e, portanto, pode não reduzir a vontade de bicar e explorar.

O restante da atividade de bicadas pode ser direcionado às penas dos companheiros.

 

O conteúdo de proteína das penas é pouco digerível. Portanto, não se espera que as penas contribuam para o suprimento de proteína das aves, especialmente quando o alimento fornece níveis adequados de aminoácidos.

As penas são semelhantes as fibras dietéticas insolúveis, pois aumentam o enchimento do estômago e aceleram a passagem do alimento pelo intestino.

 

Conclusões

Existe uma relação constante entre nutrição e bicagem de penas. A medida que aumentam as deficiências de aminoácidos e minerais (sódio), aumenta o risco de bicadas nas penas em todas as aves.

O fornecimento de nutrientes acima dos requisitos conhecidos para a produção não reduz claramente a bicagem de penas; por outro lado, parece ser reduzido pela contribuição de dietas ricas em fibras.

Embora o risco de bicagem nas penas possa ser reduzido com uma nutrição adequada, não pode ser evitado 100%. Experimentos com linhas de galinhas poedeiras selecionadas para alta bicagem mostraram que essas aves têm uma preferência especial pelo consumo de penas. Esta afinidade particular é considerada a principal causa de bicagem nas penas em sistemas de alimentação ideais, portanto, a seleção genética das aves seria o próximo passo a seguir, uma vez que o problema nutricional seja resolvido.

 




REVISTA NUTRINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies