Soja brasileira tem tecnologia para aumento de produção sem pressão por áreas de florestas

26/10/2019

Mercado Nutrição Animal

A soja, um dos principais carros-chefes da economia brasileira, fator de desenvolvimento de várias regiões do país e fonte de proteína que serve de base para produção animal e alimentação humana, tem seu sistema de produção consolidado e claramente ancorado em tecnologias que permitem produzir com sustentabilidade, sem aumento de pressão sobre áreas de florestas, mesmo considerando os cenários de aumento de demanda do grão nos próximos anos.

A análise integra um estudo conduzido por pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que discutiu as perspectivas de crescimento da produção brasileira de soja e os fatores que serão decisivos na evolução do atendimento às demandas internacionais. O estudo foi lançado nesta quarta-feira, 25 de setembro, pela Embrapa Soja, durante o seminário: “Desafios da Liderança Brasileira no Mercado Mundial de Soja”, realizado em Londrina-PR. 

Com o título “O aumento da produção brasileira de soja representa uma ameaça para a floresta amazônica?”, o estudo procurou analisar se as perspectivas de aumento de demanda global, especialmente decorrente da guerra comercial entre EUA e China, poderiam causar maior pressão sobre a floresta amazônica, como tem sido sugerido no ambiente internacional.

Apesar da extensão de área ocupada atualmente, em torno de 36 milhões de hectares, e das perspectivas de crescimento da demanda, o aumento da produção de soja é um dos grandes desafios para o país, o que vai requerer engajamento de toda a cadeia produtiva. O Brasil tem uma agenda clara de pesquisa para garantir o crescimento sustentável dessa produção, que vai ocorrer primariamente em áreas já ocupadas por pastagens, que serão liberadas pelo contínuo desenvolvimento dos parâmetros zootécnicos da produção animal e pelo aumento da produtividade dentro do próprio sistema de produção de soja”, explica José Renato Bouças Farias, chefe-geral da Embrapa Soja.

“O Brasil tem mapeado sistematicamente e projetado vários cenários internacionais de demanda do mercado de soja para as próximas décadas e desenvolvido estratégias para alcançar esses cenários de uma maneira sustentável”, explica Décio Gazzoni, pesquisador da Embrapa Soja e um dos autores do estudo. “O cultivo da soja no bioma Amazônico está absolutamente fora de qualquer cenário de expansão do volume de soja produzido no país, não apenas pelas questões ambientais e restrições legais, mas também por questões econômicas, de logística, técnicas e financeiras”, aponta. Nem mesmo a guerra comercial entre Estados Unidos e China, que provoca aumento da demanda da soja brasileira, afeta essa tendência. 

Na análise dos pesquisadores da Embrapa, não há razões para associar a guerra comercial EUA-China ao aumento de áreas de soja na região amazônica. Uma análise dos mecanismos de mercado mostra que os estoques de soja podem subir ou descer devido a razões de curto prazo ou estruturais, afetando os preços.

“É importante identificar se um sinal de preço está ancorado em razões conjunturais ou estruturais. O que se observa em relação ao momento atual é que os países estão reorganizando seus fluxos de exportação. É um momento de reacomodação de mercado.  O sinal não envolve um novo patamar de demanda por si mesmo. Representa apenas a reorganização dos fluxos de exportação.

No final, novos fluxos comerciais serão estabelecidos, com um rearranjo entre países exportadores e importadores”, explica Gazzoni. Se o Brasil quiser redirecionar suas exportações para a China, abre-se uma oportunidade de mercado com a UE, rapidamente capturada pelos EUA e isso não implica na abertura de novas áreas. Além disso, a China está reduzindo suas importações de soja, por várias razões, mas especialmente porque o país está enfrentando uma redução na produção de suínos devido a razões sanitárias.

Além de preservar e manter a floresta como patrimônio nacional, o Brasil detém domínio tecnológico para dobrar a produção atual nas áreas que já cultivam soja ou recuperando áreas de pastagens degradadas. “A tecnologia de produção de soja tropical é baseada no uso intensivo de tecnologias de produção. Os incrementos da produção brasileira nos últimos anos estão diretamente associados às novas recomendações de manejo da cultura, ao potencial genético de cultivares e às novas perspectivas abertas pela combinação de áreas de pastagens degradadas em sistemas mais eficientes por meio da Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF)”, explica Alexandre Cattelan, pesquisador da Embrapa Soja, co-autor do trabalho.

O crescimento do volume de produção está muito mais baseado no incremento de produtividade do que no aumento da área plantada e seguirá assim: o produtor brasileiro vem aumentando a eficiência produtiva fazendo ajustes em seus sistemas de produção e conseguido melhores resultados.”, destaca.

O estudo mostrou que a cadeia de soja está bem organizada e em alto nível tecnológico, não havendo necessidade de expansão de áreas de cultivo de soja na Amazônia. Casos práticos, como o desafio de produtividade promovido pelo Comitê Estratégico Soja Brasil (CESB), mostram produtores alcançando recordes de produtividade em áreas bem manejadas. Em 2016/17, o vencedor do desafio alcançou uma produtividade 117% superior à média nacional. O atual recorde de produtividade de soja é de 2015 e foi de 8.520 kg/ ha, um número muito expressivo e 185% superior à média nacional. “Esses dados mostram o enorme potencial de aumento da produção nacional dentro das áreas atuais de produção”, explica Gazzoni.

O estudo conduzido pelos pesquisadores da Embrapa também comparou dados de desmatamento na região amazônica e a expansão da área usada para produção de soja no período de 2005 a 2018. “Os dados mostram que, o crescimento da área de soja ocorreu ao mesmo tempo em que houve redução do desmatamento. Isso indica que a incorporação de novas áreas tem ocorrido principalmente em áreas de pastagem”, explica Cattelan.

De acordo com os pesquisadores, além do país possuir uma das legislações ambientais mais rigorosas do mundo, a própria iniciativa privada estabeleceu rigorosos compromissos com a preservação do bioma amazônico. “A exploração dessas áreas para soja não são adequadas nem ambientalmente e nem economicamente. Produtores enfrentam dificuldades enormes desde a recepção de insumos até a comercialização da soja, onde as grandes traders não recebem a soja que não atende os parâmetros da moratória”, explica Gazzoni.

Além de olhar para cenários futuros, o estudo também mostrou que as tecnologias atualmente disponíveis já permitem o incremento da produtividade e favorecem a sustentabilidade dos sistemas de produção comerciais de soja. O estudo aponta que, nas últimas décadas, o Brasil basicamente incrementou sua produção agrícola de outras formas – e não pelo desmatamento – e esses fatores-chave seguirão como norteadores da expansão da produção nas próximas décadas.

Entre os exemplos apontados pelo crescimento sustentável da produção estão as tecnologias que permitiram melhoria das pastagens pela inserção da agricultura na recuperação do solo, entre eles o iLPF, estimado em  11,5 Mha em 2016. Outra inovação da agricultura tropical foi o processo de intensificação agrícola, ou seja, o uso de dois, às vezes três, ciclos de cultivo por ano, na mesma área (safra e safrinha), o que implica reduzir a área necessária para a mesma produção agrícola, também chamado de “efeito poupa-terra”.

“O Brasil é um exemplo de eficiência produtiva com preservação. O sistema de produção está ancorado em tecnologias que são ambientalmente favoráveis, como a fixação biológica do nitrogênio (que dispensa adubo nitrogenado e por isso diminui as emissões de gases de efeito estufa e a contaminação de lençóis freáticos com nitratos), o plantio direto (que conserva o solo, retém água e fixa carbono), técnicas de manejo integrado de pragas e doenças, que formam um conjunto de tecnologias que reduzem, inclusive, a emissão de carbono na atmosfera”, explica o pesquisador Marco Nogueira, também autor do estudo.

A tecnologia de produção brasileira está entre as mais avançadas do mundo. A agricultura tropical é um desafio, pois ao contrário dos países de clima temperado, não ocorre a redução da pressão fitossanitária naturalmente provocada durante o inverno. “Por isso, o Brasil precisou criar sua própria tecnologia de produção, que o torna líder em sistemas de produção sustentável em regiões tropicais.

A agricultura brasileira está fortemente ancorada em um sistema de pesquisa agrícola que gera ciência e conhecimento que orientam a expansão de forma eficiente e sustentável da produção brasileira. 

O estudo completo está disponível em português e em inglês no site da Embrapa Soja: www.embrapa.br/soja

Versão português: https://www.embrapa.br/soja/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1111915/o-aumento-da-producao-brasileira-de-soja-representa-uma-ameaca-para-a-floresta-amazonica

Versão inglês: https://www.embrapa.br/soja/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1111175/does-the-brazilian-soybean-production-increase-pose-a-threat-on-the-amazon-rainforest

Assessoria de Comunicação Embrapa Soja

Deixe seu comentário