Selênio: L-SeMet, OH-SeMet e Zn-SeMet, quais as diferenças? Selênio: L-SeMet, OH-SeMet e Zn-SeMet, quais as diferenças?
 
28 abr 2021

Terceira geração de selênio: L-SeMet, OH-SeMet ou Zn-SeMet, quais são as diferenças?

get_the_title



Atualmente, a comunidade científica classifica todas as formas de selênio disponíveis para a nutrição animal em três gerações distintas. A última geração, dos denominados produtos puros, tem ganhado destaque na suplementação animal, apresentando resultados positivos comparados às gerações anteriores. Todos os aditivos pertencentes a essa terceira geração apresentam uma característica comum entre si, todo selênio (Se) disponível nestes produtos está sob formas de selenometionina (SeMet):

Dada a baixa disponibilidade do selênio em forrageiras, cereais e grãos proteicos, a suplementação desse mineral em animais de produção é uma prática comum desde 1970. Durante as últimas décadas, uma quantidade crescente de estudos sugere que a forma de selênio ofertada na dieta determina sua eficiência e dessa maneira influencia o atendimento do requerimento nutricional dos animais.

A principal vantagem em suplementar os animais com SeMet frente às fontes inorgânicas é que, devido à similaridade química entre a metionina e a SeMet, essa última é absorvida e metabolizada como uma molécula de metionina.

 

 

Essa característica leva à formação de um depósito inespecífico de Se em cadeias de aminoácidos corporais (i.e. proteínas corporais), que pode ser utilizado posteriormente pelos animais de maneira mais eficiente e segura. Por outro lado, todas as outras formas de Se não criam depósitos de Se e, portanto, qualquer excesso é excretado imediatamente pelos animais e para evitar sua toxicidade.

 

 

Quando comparamos com a segunda geração de “selênio orgânico” (selenoleveduras), a terceira geração é capaz de garantir não apenas o teor de selênio orgânico total, mas também a concentração constante de Se, sob a forma de SeMet, e assim, assegurar a oferta de Se aos animais em sua molécula de maior valor.

 

MAS ESSAS FONTES PURAS DE SeMet SÃO EQUIVALENTES?

Nos últimos meses, uma discussão foi iniciada em relação a possíveis diferenças entre essas fontes. Entre elas, uma das hipóteses comerciais criadas foi que a OH-SeMet, por ser um hidróxi-análogo, apresentaria menor valor biológico em relação a outras fontes.

Dada a diversidade de opções disponíveis, a comunidade científica buscou maneiras de avaliar a eficácia destes diferentes aditivos. Admite-se, no entanto, que a melhor maneira de avaliar a bioeficácia das formas puras de SeMet é pela comparação da deposição de Se nos tecidos animais, sendo a deposição em músculos a referência mais utilizada.

 

Em 2017, o grupo liderado por Jachacz publicou uma meta-análise onde os resultados de 13 diferentes estudos foram compilados, comparando a eficácia de fontes de selênio e se concluiu que quando suplementadas a mesma dose, L-SeMet e OH-SeMet apresentaram a mesma eficiência (Figura 1).

 

 

Porém, a fim de confirmar essa igualdade entre as fontes de terceira geração, um novo experimento foi conduzido e recém publicado. Neste estudo, 432 frangos (Ross 308) foram divididos em 12 diferentes tratamentos e com 3 repetições por tratamento. As aves foram alimentadas durante 14 dias com dieta controle negativo (NC, sem suplementação de Se), ou com a mesma dieta NC suplementada com selenito de sódio (SS), ou suplementada com uma de duas fontes de Selenoleveduras (SY) contendo 56% (SY56) ou 72% de SeMet (SY72).

Nos demais tratamentos, as aves alimentadas com a dieta NC foram suplementadas com L-SeMet ou OH-SeMet. As fontes de Se foram suplementadas a 0,3 mg Se/kg, exceto nos tratamentos que receberam L-SeMet e OH-SeMet, onde dosagens crescentes foram utilizadas: 0,15; 0,3; 0,45 e 0,6 mg Se/kg da dieta. Ao final do experimento, 9 animais por tratamento foram amostrados para determinação do teor de Se no músculo do peito, utilizando-se a técnica de espectrometria de massa com plasma indutivamente acoplado (Figura 2).

 

 

As fontes de Se afetaram significativamente a deposição de Se no peito (Figura 2). A avaliação estatística confirmou a maior eficácia das formas orgânicas (SY56, SY72, L-SeMet e OH-SeMet) quando comparadas ao selenito de sódio (SS), e graças a maior concentração de SeMet. Os resultados também demonstram a maior eficácia de L-SeMet e OH-SeMet em deposição de Se em músculo de peito, quando comparado às selenoleveduras (SY56 e SY72). Os resultados de deposição também evidenciaram que a deposição de Se na suplementação dietética de L-SeMet ou OH-SeMet é dose dependente, e que estas fontes de Se de terceira geração mostraram eficiência biológica equivalente (P> 0,05) para as quatro doses testadas (Figura 2).

 

Essa nova publicação corrobora a conclusão da meta-análise publicada por Jachacz et al. (2017), confirmando que tanto a OH-SeMet quanto a L-SeMet quando suplementadas na mesma dose, apresentam o mesmo “valor” para os animais.

Um recente trabalho realizado em vacas de leite (Hachemi et al., 2020) objetivou avaliar a deposição de selênio pelos microrganismos ruminais e a concentração de Se no fluido plasmático de animais suplementados por 23 dias com os tratamentos descritos a seguir:

 

dieta controle negativo, sem suplementação de Se (NC),
NC suplementada com 10 mg/kg de Se via selenito de sódio (SS),
10 mg/kg de Se como Zn-L-SeMet ou
10 mg/kg de Se via OH-SeMet.

Os pesquisadores submeteram as amostras de fluido rumenal à chamada especiação de selênio, capaz de identificar as formas de Se presentes nas amostras analisadas, incluindo o Se(0) – selênio elementar.

 

 

A concentração de Se no fluido rumenal apresentou correlação positiva com o teor de Se no plasma (R² = 0,96), e ambos apresentaram a mesma hierarquia entre as fontes. O Se(0) foi medido no fluido rumenal e foi detectado apenas no grupo suplementado com SS. De todo o selênio presente no fluido rumenal, 42% dele estava sob a forma de Se(0), o que poderia explicar a menor biodisponibilidade do SS em ruminantes.

Os autores concluíram que o Se plasmático é influenciado pelo teor de Se no rúmen e pela disponibilidade biológica das fontes de selênio, sendo Zn-L-SeMet e OH-SeMet superiores ao SS. Essa avaliação também mostrou diferença estatística na concentração plasmática de Se entre os grupos Zn-L-SeMet e OH-SeMet, sendo a última fonte a de maior biodisponibilidade (Figuras 3 e 4).

Por fim, um ponto capaz de diferenciar SeMet de terceira geração é a estabilidade das moléculas ao armazenamento em condições ditas normais ou condições aceleradas de avaliação. Levando em consideração as opiniões científicas emitidas e publicadas pela “European Food Safety Authority” (EFSA) temos diferenças importantes entre as três fontes mencionadas.

Dados publicados pela EFSA mostram que a L-SeMet, quando adicionada a um premix vitamínico e mineral, apresentou baixa recuperação após o armazenamento. Os dados mostraram que após 3, 6 e 9 meses, a recuperação da L-SeMet foi de 55, 54 e 37% respectivamente.

Em relação a Zn-L-SeMet, dados de estabilidade do produto puro durante o armazenamento, sob condições normais e condições aceleradas, foram apresentados apenas para o período de 3 meses (EFSA). Sob condições normais de armazenamento, a recuperação foi de 91,2% e sob condições aceleradas, de 82%. Infelizmente, não foram disponibilizados períodos de armazenamento mais longos.

Quando a EFSA avaliou a estabilidade da OH-SeMet armazenada por 3, 12 ou 18 meses em condições normais e em condições aceleradas; após 3 meses, encontrou recuperação de 98% para condições normais e 97% para condições aceleradas; para armazenamento por 12 meses, as recuperações foram de 91 e 80%, enquanto para 18 meses os resultados foram 89 e 78%, respectivamente. Na avaliação final deste aditivo, a EFSA deu um parecer favorável à estabilidade da OH-SeMet, por se tratar de selênio em molécula de hidroxi-metionina, a qual é sabidamente estável.

Este tema de estabilidade de fontes de terceira geração de SeMet foi também estudado por Surai et al. (2018), concluindo-se que a OH-SeMet apresenta melhor estabilidade quando comparada às outras duas formas, L-SeMet e Zn-L-SeMet.

Diversas informações novas têm sido lançadas quanto ao metabolismo e ações do selênio nos animais de produção. Atualmente, sabe-se que a molécula de maior valor biológico é a SeMet e fontes que fornecem apenas essa molécula (terceira geração de selênio) já mostraram seu poder superior às gerações anteriores (selênio inorgânico e selenoleveduras).

Entre essas fontes, a OH-SeMet se destaca, por apresentar valor biológico idêntico às demais fontes de terceira geração, porém, com o benefício da maior estabilidade química da molécula.




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 1 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies