Termoestabilidade do detoxa® plus ao processo de peletização
 
05 out 2021

Termoestabilidade do detoxa® plus ao processo de peletização

get_the_title



peletizaçãoO processo de peletização consiste na aglomeração de ingredientes ou mistura, em formato cilíndrico conhecido como pellet.

peletizaçãoOs ingredientes são aglomerados por meio de ação mecânica combinados com temperatura, pressão e presença de umidade.

peletizaçãoO objetivo deste trabalho foi avaliar a termoestabilidade das enzimas presentes no Detoxa® Plus frente ao processo de peletização de ração.

 

METODOLOGIpeletizaçãoA

 

EQUIPAMENTO

Os testes foram realizados com uma peletizadora Amandus Kahl 14-175. A capacidade da peletizadora é de 20 a 80 kg/hora.

 

RAÇÃO

peletizaçãoA ração comercial utilizada foi uma formulação para suínos cuja fórmula está na Tabela 1, abaixo.

peletezaçãoNos tratamentos em que foi utilizado o Detoxa® Plus, foi incorporado a uma taxa de 1 kg/ton. Todos os tratamentos foram feitos com três repetições.

 

CAPACIDADE DE ELIMINAÇÃO DE ZEARALENONA

Uma contaminação de 0,35 µmol de Zearalenona foi misturada com 0,5 g da amostra de ração após tratamento térmico.

peletizaçãoEm seguida, a atividade enzimática foi avaliada em um equipamento termostático a uma temperatura de 37ºC, com pH de 5,0 pelo período de duas horas. Após a reação enzimática, a Zearalenona restante foi avaliada pelo HPLC usando as seguintes características:

Coluna: C-18, 10×2 mm.

Eluente: acetonitrila de 50-50 v/v, a um fluxo de 0,2 ml/min.

Espectrofotometria: 236 nm.

peletização

A atividade enzimática foi determinada como a capacidade de eliminação da concentração inicial de Zearalenona. Em seguida, um microlitro de enzima degradante de Zearalenona foi definida como a quantidade de enzima capaz de transformar 1 µmol de Zearalenona sob as condições do teste (pH: 5.0, T: 37ºC por duas horas).

 

CAPACIDADE DE ELIMINAÇÃO DE FUMONISINA B1 (FB1)

Uma contaminação de 0,15µmol de FB1 foi misturada com 0,5 g da amostra de ração após tratamento térmico.

peletizaçãoEm seguida, a atividade enzimática foi avaliada em um equipamento termostático a uma temperatura de 37ºC, com pH de 5,0 pelo período de duas horas. Após a reação, o FB1 restante foi avaliado pelo HPLC usando as seguintes características:

Coluna: C-18, 150×4.6mm.

Eluente: Metanol – 0.1 M Dihidrogenofosfato de sódio (70 + 30 v/v), pH: 3.3 a 0.6 ml/min de fluxo.

Espectrofotometria: 440 nm.

A atividade enzimática foi determinada como a capacidade de redução da concentração inicial de FB1. Em seguida, um microlitro de enzima degradante de  FB1 foi definida como a quantidade de enzima capaz de transformar 1 µmol de Fumonisina B1 sob as condições do teste (pH: 5.0, T: 37ºC por duas horas).

 

TRATAMENTOS E RESULTADOS

 

A ração utilizada para peletização foi ração comercial para suínos. A peletizadora usada foi da marca Amandus Kahl 14-175, o tempo de peletização foi de 240 segundos nas temperaturas de 75, 80, 85ºC.

peletizaçãoNa Tabela 2 temos os resultados percentuais de eliminação de ZEA e FB1  por amostra, análise por HPLC e a média da avaliação por triplicata nas diferentes temperaturas.

peletizaçãoO Gráfico 1 demonstra os resultados médios de eliminação de ZEA e FB1 por amostra, análise por HPLC, nas diferentes temperaturas pelo tempo de 240 segundos.

CONCLUSÃO

As enzimas presentes no Detoxa® Plus são termoestáveis ao processo de peletização da ração a uma temperatura de 85ºC por 240 segundos.




NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 3 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies