Manejo de pastagem com satélites e inteligência artificial | nutriNews Brasil Manejo de pastagem com satélites e inteligência artificial | nutriNews Brasil


AUTOR(ES)

Igor L. Bretas

Departamento de Zootecnia, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil

Fernanda H. M. Chizzotti

Departamento de Zootecnia, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil

Domingos Sárvio M. Valente

Departamento de Engenharia Agrícola, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa/MG, Brasil

INTRODUÇÃO

Atualmente o Brasil possui o maior rebanho comercial de bovinos do mundo, com aproximadamente 214 milhões de cabeças, e as pastagens ocupam aproximadamente 150 milhões de hectares (IBGE, 2017).

A grande representatividade das pastagens no cenário da pecuária nacional se deve principalmente ao fato do pasto ser o alimento basal e de mais baixo custo da dieta de animais ruminantes.

Quando se trata de animais ruminantes, deve-se buscar otimizar o consumo de pasto, explorando a eficiência dos ruminantes na utilização de carboidratos fibrosos (principais constituintes do pasto), como principal forma de minimizar os custos com a alimentação. Isso torna o manejo de pastagens fundamental para se produzir com eficiência econômica e de forma sustentável.

Em sistemas de produção à pasto, os ajustes das taxas de lotação evitam o superpastejo da área, que causam degradação do solo e impactos ambientais, e o subpastejo, que reduzem o valor nutritivo e a eficiência de colheita da forrageira, impactando no desempenho animal e econômico da atividade.

Para cálculo das taxas de lotação é necessário que o pecuarista leve em consideração a demanda por parte dos animais (variável de acordo com o número e categoria animal) e a massa de forragem contida na área.

As metodologias tradicionais utilizadas para quantificar a massa de pasto se baseiam na:

obtenção de amostras do pasto por meio do corte em molduras de área conhecida
seguida por secagem da amostra
obtendo-se o teor de matéria seca como a razão entre a massa seca e a massa fresca

Porém, a nível de campo essa forma de monitoramento do pasto se torna trabalhosa, demorada e de custo elevado, seja pela mão-de-obra para amostragem, ou por equipamentos para secagem do material. Além disso, áreas de pastagens frequentemente apresentam grande heterogeneidade de solo, relevo e espécies.

Logo, a quantificação da forragem por corte direto, além de destrutiva, pode não ser representativa da área caso a amostragem não seja criteriosa.
Com o surgimento de novas tecnologias para aquisição de dados, como satélites, drones, robôs, e os mais diferentes tipos de sensores, tem aumentado a quantidade e a
variedade de informações obtidas no campo.

O advento da Agricultura Digital trouxe diversos avanços no monitoramento de lavouras. Pesquisas têm demonstrado que a utilização de dados obtidos por sensores a bordo de drones ou satélites podem predizer a altura e a biomassa de diferentes tipos de cultura (Harkel et al. 2019).





NOVIDADES

 

REVISTA

Revista nutriNews Brasil 1 TRI 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 





Veja outras revistas



 

Cadastro Newsletter nutriNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

nutriTips
nutriNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies